3 eventos ao vivo

Em meio a tensão com Japão, entra em operação 1º porta-aviões chinês

25 set 2012
06h22
atualizado às 07h59
  • separator

O Ministério da Defesa chinês anunciou nesta terça-feira que o primeiro porta-aviões das Forças Armadas do país, o "Liaoning", começou a operar, em um momento de tensão pelo conflito marítimo com o Japão pela soberania das ilhas Diaoyu/Senkaku.

Tripulação do porta-aviões chinês participa da inauguração da embarcação perfilada no convés
Tripulação do porta-aviões chinês participa da inauguração da embarcação perfilada no convés
Foto: AP

Após um ano de testes, o Exército de Libertação Popular (ELP) celebrou hoje a cerimônia de inauguração da embarcação com a presença de altos funcionários do governo comunista, informou a agência oficial Xinhua.

O "Liaoning" foi construído em 1985 pela União Soviética, mas após a queda do regime comunista neste país o porta-aviões, na época chamado "Varyag", passou a ser propriedade ucraniana e China o adquiriu há 13 anos.

Após anos de remodelações, a primeira viagem de teste do porta-aviões chinês aconteceu em 10 de agosto de 2011, embora até 11 de setembro não se sabia com que nome a embarcação seria batizado. A imprensa especulou nomes como "Mar Amarelo", "Pequim" ou até "Mao Tsé-tung".

No entanto, segundo as normas do exército chinês, os grandes navios devem receber nomes de províncias do país, enquanto as fragatas podem ser batizadas com nomes de cidades grandes ou médias.

O "Liaoning" está equipado para lançar ataques antimísseis contra aviões e outros navios, embora as autoridades militares chinesas afirmem que seu principal uso será para treinamento.

A inauguração do porta-aviões ocorre em um momento de forte tensão diplomática entre China e o Japão, gerada quando Tóquio adquiriu de um empresário japonês três ilhas do arquipélago Diaoyu/Senkaku, controlado de fato pela administração japonesa mas que Pequim reivindica há décadas.

A China adquiriu no passado outros antigos porta-aviões soviéticos, embora eles tenham se tornado museus ou atrações turísticas. Ter seu próprio porta-aviões era um velho desejo do governo chinês, que já pensava em adquirir esta embarcação, considerado o auge tecnológico de uma marinha moderna, nos anos 40, antes inclusive da instauração do regime comunista.

O gigante asiático era o único membro permanente do Conselho de Segurança da ONU que não contava com este tipo de navio, e o tema inquietava Pequim, que considerava este fato inadmissível levando em conta o tamanho de seu exército (dois milhões de soldados).

Até agora, os únicos países da Ásia que contavam com este tipo de navio eram a Índia e a Tailândia.

Veja também:

Sobreviventes são resgatados de prédio que caiu na Índia
EFE   
publicidade