Eleições nos EUA

› Notícias › Mundo › Eleições nos EUA

Eleições nos EUA

Sábado, 15 de março de 2008, 12h25 Atualizada às 12h57

Hillary quer implantar Bolsa Família nos EUA se eleita

Natuza Nery
Direto de Nova York

Segundo lugar na corrida democrata para conquistar a indicação do partido nas eleições gerais dos Estados Unidos em novembro, a pré-candidata Hillary Clinton guarda em seu programa de governo uma boa notícia para o presidente Luiz Inácio Lula da Silva: apoiará o programa Bolsa Família caso seja eleita.

» Hillary faz propostas para energia
» Michigan quer novas primárias
» Obama denuncia declarações de ex-pastor
» Opine sobre o assunto

A menção ao programa, uma das principais bandeiras sociais do governo Lula, é encarada pela ex-primeira-dama como prioridade para diminuir a pobreza no continente. Em sua plataforma eleitoral para a América Latina, Hillary escreve, na primeira pessoa, sobre a necessidade de reconstruir as relações de seu país com as nações da região.

"Eu vou apoiar programas que dão às famílias poder para construírem seus próprios futuros, como o Bolsa Família do Brasil", afirma a senadora de Nova York. "Essas idéias de combate à pobreza podem ser colocadas em prática aqui, na nossa casa", acrescenta.

No documento oficial em que Hillary Clinton menciona o Brasil, há quatro prioridades prometidas pela pré-candidata à Casa Branca: estimular governos democráticos na América Latina; contribuir para reduzir a desigualdade social da região em 50% até 2015; combater mudanças climáticas e fazer a reforma da imigração nos EUA.

"Isso significa um reconhecimento da importância do Brasil e apoio à sua agenda social. O apoio dela ao Bolsa Família mostra que os programs sociais do governo são mais criticados no Brasil do que fora", afirma Cristina Pecequilo, doutora em Política Internacional pela USP e especialista em eleições nos EUA.

Se eleita, a senadora propõe criar o Fundo de Investimento Social e o Fundo de Desenvolvimento Econômico para as Américas, iniciativas defendidas por Lula desde seu primeiro mandato.

"Como presidente, eu vou dar à América Latina o respeito e a atenção que ela merece. Em colaboração com nossos parceiros da região, eu vou trabalhar duro para restaurar a credibilidade dos Estados Unidos e entregar resultados concretos para o povo da América Latina", diz ela.

As palavras de Hillary têm também uma motivação estratégica. A população de origem hispânica nos EUA já atinge a marca dos 15% neste ano e é a faixa do eleitorado que mais cresce naquele país.

A campanha de Hillary não estava imediatamente disponível para explicar os detalhes do apoio ao Bolsa Família. Proposta semelhante não foi encontrada no programa oficial do pré-candidato Barack Obama, líder das primárias do partido.

Críticas a Bush
O objetivo da democrata é inverter as relações dos Estados Unidos com os países do continente. Com críticas duras ao governo George W. Bush, Hillary Clinton afirma que a política externa da administração republicana foi um verdadeiro fiasco.

"Nos últimos anos, a política do presidente Bush tem negligenciado e quebrado promessas. O presidente Bush chegou a falar em justiça social (para a região), mas seu foco tem sido quase que exclusivamente movido por acordos bilaterais e combate às drogas", alfineta.

De fato, os movimentos diplomáticos dos anos recentes mostraram que a liderança republicana em Washington centralizou seus esforços e recursos no Iraque e no Afeganistão, sobretudo após os ataques terroristas de 11 de setembro.

A agenda social prometida para o mundo em desenvolvimento no início de seu governo acabou deteriorada pela geopolítica e pelo próprio perfil do partido, conservador em ajudar financeiramente países pobres. "Ele vai terminar o governo sem um trabalho efetivo nessa área", concluiu Cristina Pecequilo.

Redação Terra

AP
Hillary faz campanha em Houston neste sábado
Hillary faz campanha em Houston neste sábado

Busque outras notícias no Terra