Eleições nos EUA

› Notícias › Mundo › Eleições nos EUA

Eleições nos EUA

Terça, 5 de fevereiro de 2008, 12h26

Milhões de americanos comparecem às urnas na 'Super Terça'

Milhões de americanos começaram a ir às urnas hoje na "Super Terça", dia fundamental para os pré-candidatos presidenciais democratas e republicanos que tentam garantir a vaga de seu partido.

» Veja fotos da votação
» Veja: 'Super Terça' começa nos EUA
» Entenda a importância da 'Super Terça'

Um total de 24 estados, entre eles Califórnia, Arizona e Nova York, realizam hoje primárias e cáucus em uma das eleições mais disputadas da história recente do país.

O pleito já começou em vários estados do litoral leste do país, entre eles Massachusetts e Nova Jersey - onde seu governador, Jon Corzine, não pôde votar na hora prevista devido a problemas técnicos com as urnas no colégio eleitoral em um corpo de bombeiros.

Corzine, que apóia a senadora democrata Hillary Clinton, teve que esperar cerca de 45 minutos enquanto o problema era resolvido.

A senadora e seu marido, o ex-presidente Bill Clinton, votaram cedo em Chappaqua, Nova York, mas não quiseram dar entrevistas.

Calcula-se que cerca de seis milhões de americanos que vivem no exterior estejam habilitados a votar nas primárias de hoje.

Da Ásia e Europa até a América Latina milhares começaram a votar em hotéis, cafeterias e, pela primeira vez, pela internet.

Nesta jornada eleitoral estão em jogo 1.023 delegados republicanos e 1.681 delegados democratas, que elegerão o candidato presidencial de seu partido nas convenções de agosto e setembro.

Para conseguir a candidatura presidencial é necessário, pelo lado republicano, um total de 1.191 delegados, e, do lado democrata, 2.025.

Ávidos por votos e apoios políticos, tanto os senadores Hillary Clinton e Barack Obama, do lado democrata, como o senador John McCain e os ex-governadores Mitt Romney e Mike Huckabee, do lado republicano, viajaram na segunda-feira para várias cidades do país em uma corrida contra o relógio.

Segundo dados oficiais, só Hillary e Obama gastaram mais de um US$ 1 milhão por dia em propaganda política e anúncios publicitários.

Obama continuava hoje sua batalha contra Hillary, concedendo entrevistas nos principais programas de TV.

Na noite de segunda-feira, Hillary comprou uma hora de programação no canal Hallmark para se dirigir aos eleitores de Nova York.

Tanto a senadora, a única mulher na disputa presidencial, como Obama, o único afro-americano, buscam fazer história nas eleições gerais de 4 de novembro.

Se um dos senadores conquistar a Presidência americana, será apenas a terceira vez que isso acontece na história recente do país.

O então senador democrata de Massachusetts John F. Kennedy chegou à Presidência em 1960 e, 40 anos antes, foi a vez do senador republicano Warren G. Harding.

Segundo analistas, a maioria dos candidatos chegou à Casa Branca após ter sido governadores estaduais.

EFE

Busque outras notícias no Terra