0

Rússia diz que não permitirá que ONU apoie rebeldes sírios

18 jul 2012
08h54
atualizado às 10h41

A Rússia não permitirá que o Conselho de Segurança adote uma resolução que implique apoio da ONU a uma "revolução" na Síria, declarou nesta quarta-feira o chanceler russo Serguei Lavrov, que classificou os combates que acontecem neste país de decisivos.

O presidente russo, Vladimir Putin (dir.), cumprimenta Kofi Annan durante encontro em Moscou
O presidente russo, Vladimir Putin (dir.), cumprimenta Kofi Annan durante encontro em Moscou
Foto: AP

Crise na Síria: origens, capítulos, impasses e destinos
Luta por liberdade revoluciona norte africano e península arábica

"Neste momento, ocorrem combates decisivos na Síria. E a adoção de uma resolução (ocidental) seria um apoio direto a um movimento revolucionário. Se é uma revolução, a ONU não tem nada a ver com isso", declarou Lavrov aos jornalistas, à margem de uma reunião no Kremlin entre o presidente russo Vladimir Putin e o primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdogan.

O encontro aconteceu enquanto um atentado contra a sede da Segurança Nacional síria, em Damasco, provocou a morte do ministro da Defesa do país e de seu vice, que também é cunhado do presidente Bashar al-Assad. Outras autoridades morreram e ficaram feridas, mas não há informações precisas sobre as vítimas.

O presidente sírio, Bashar al-Assad, disse que não vai ceder o poder livremente, segundo Lavrov, alertando as potências ocidentais que o apoio delas aos rebeldes vai apenas aumentar o banho de sangue na Síria. "Em vez de acalmar a oposição, alguns parceiros estão alimentando uma escalada (da violência)", disse ele. "É um beco sem saída apoiar a oposição. Assad não vai sair por conta própria e os nossos parceiros do Ocidente não sabem o que fazer quanto a isso."

Com o crescimento da violência, o Ocidente quer que a Rússia retire seu apoio a Assad. Ao lado da China, o governo russo vetou ações do Conselho de Segurança da ONU que aumentariam a pressão sobre a Síria.Mas, antes de um encontro com o mediador internacional Kofi Annan em Moscou na terça, Lavrov não indicou qualquer mudança de posição.

AFP Todos os direitos de reprodução e representação reservados. 

compartilhe

publicidade
publicidade