22 eventos ao vivo

Polícia marroquina impede manifestação em Casablanca

13 mar 2011
14h18
atualizado às 14h55

Agentes antidistúrbios marroquinos dispersaram à força neste domingo uma concentração de dezenas de pessoas que pediam mudanças políticas em uma praça de Casablanca, informaram associações e testemunhas.

 Manifestantes são dispersados pelas forças policiais marroquinas durante protesto em Casablanca
Manifestantes são dispersados pelas forças policiais marroquinas durante protesto em Casablanca
Foto: EFE

A Associação Marroquina dos Direitos do Homem (AMDH) denunciou que a intervenção policial deixou vários feridos, assim como um número indeterminado de detidos, entre os quais poderia estar um dos fundadores do chamado Movimento 20 de Fevereiro, Osama el Jlifi, mas a informação ainda não foi confirmada.

A manifestação é a primeira deste tipo em Casablanca depois que na quarta-feira o rei Mohammed VI anunciou uma reforma constitucional global que dá maiores poderes para o primeiro-ministro, reconhece a Justiça como poder independente e incumbe o Parlamento de novas responsabilidades. No entanto, os manifestantes mostraram desacordo com a revisão constitucional, exigiram a elaboração de uma nova Constituição e a dissolução do Parlamento.

A AMDH condenou em comunicado "este ataque feroz contra manifestantes pacíficos que rejeitam os falsos slogans". A organização islamita Al Adl Wal Ihsane (Justiça e Caridade) denunciou que as forças de segurança "impediram os cidadãos de chegar ao ponto de encontro" onde tinham previsto iniciar o protesto.

Em uma nota divulgada pelo porta-voz da organização, os islamitas consideraram que a atuação policial vai contra o discurso do rei, "no qual disse que ia abrir as portas para os direitos políticos, incluindo os protestos e manifestações". O Movimento 20 de Fevereiro, que surgiu da iniciativa de alguns jovens na rede social Facebook, deve realizar mobilizações maciças nas cidades marroquinas no dia 20 de março.

EFE   

compartilhe

publicidade
publicidade