1 evento ao vivo

Mais de 17 mil sírios fugiram do país nos últimos três dias

18 ago 2013
17h25
atualizado às 17h27
  • separator
  • 0
  • comentários

Cerca de 17 mil pessoas deixaram a Síria entre a última quinta-feira e sábado, cruzando a região fronteiriça de Peshkhabour em direção ao Curdistão, uma região autônoma do Iraque, segundo estimativa da Organização das Nações Unidas (ONU). De acordo com o Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur), trata-se de um dos maiores fluxos de refugiados que a entidade está ajudando desde o início do levante contra o presidente Bashar Al-Assad, em março de 2011.

As razões para o intenso e repentino fluxo de refugiados ainda não estão claras para as autoridades ligadas à ONU, embora haja relatos de aumento de confrontos violentos na região.

Para atender aos refugiados, o Acnur, o governo regional do Curdistão e entidades de assistência filantrópica estão organizando comboios em direção a cidades vizinhas. As instituições planejam montar um campo para abrigar estes grupos. Em nota divulgada na última quinta-feira, a ONU informou que o Acnur solicitou aos países da região que mantenham suas fronteiras abertas para receber sírios que buscam proteção.

Em razão de acusações mútuas feitas pelo governo sírio e pela oposição sobre o uso de armas químicas nos conflitos, uma missão da ONU, que foi adiada diversas vezes, chegou neste domingo à capital, Damasco. A equipe formada por peritos internacionais é liderada pelo sueco Ake Sellstrom e deverá ficar na Síria por 14 dias para investigar a existência de arsenais de armas químicas no país.

Desde o início da guerra civil na Síria, em março de 2011, morreram mais de 100 mil pessoas e quase 7 milhões necessitam de ajuda humanitária de emergência, segundo balanço da ONU.

Agência Brasil Agência Brasil
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade