1 evento ao vivo

Forças de Kadafi se aproximam das portas de Benghazi, diz TV

17 mar 2011
08h59
atualizado às 12h31

As forças do dirigente líbio Muammar Kadafi chegaram às portas de Benghazi, a segunda maior cidade do país e reduto da oposição, informou a TV estatal líbia. "A cidade de Zuwaytinah está sob controle (das forças leais a Kadhafi) e as forças armadas estão se aproximando de Benghazi", afirmou a TV. Zuwaytinah fica a 150 km ao sul de Benghazi.

Soldados aliados a Kadafi mostram armas e comemoram o avanço das tropas, em Ajdabiyah
Soldados aliados a Kadafi mostram armas e comemoram o avanço das tropas, em Ajdabiyah
Foto: Reuters

Aviões de guerra das forças leais ao líder voltaram a bombardear nesta quinta-feira o aeroporto de Benina, a cerca de 10 km de Benghazi, reduto dos rebeldes líbios, afirmou o coronel insurgente Adel Borassi à rede de televisão Al Jazeera.

Membro do comitê de defesa da "capital" rebelde na zona oriental do país, o coronel disse que os bombardeios foram realizados a uma grande altura e que não foram registradas mortes nem danos materiais. O aeroporto de Benina faz parte da aviação militar líbia, cujos oficiais e soldados se uniram aos rebeldes poucos dias após o início do levante em 16 de fevereiro.

Deste aeroporto, provavelmente decolaram os aviões rebeldes que, como disseram fontes do comando insurgente, bombardearam e afundaram na terça-feira passada dois navios de guerra das forças do regime de Trípoli próximo ao litoral de Ajdabiya, 160 km a sul de Benghazi. Um dos porta-vozes da rebelião, Adel Bensaud, afirmou que, na quarta-feira, esses mesmos aviões bombardearam comboios de veículos militares pró-Kadafi perto da cidade de Sebha, ao sul de Trípoli.

Três aviões do regime já haviam bombardeado o aeroporto de Benina e tentaram atacar as ferrovias próximas, mas não tiveram sucesso. Fathi Terbel, membro do Conselho Nacional Transitório (CNT) líbio, declarou que os pilotos de Kadafi são "muito experientes" e o fato de não atingirem seus objetivos em algumas ocasiões demonstra que "se veem obrigados a executar as ordens, mas erram voluntariamente para não causar danos à população".

Líbios enfrentam repressão e desafiam Kadafi
Motivados pela onda de protestos que levaram à queda os longevos presidentes da Tunísia e do Egito, os líbios começaram a sair às ruas das principais cidades do país há quase um mês para pedir a renúncia do líder Muammar Kadafi, no comando do país desde a revolução de 1969. Entretanto, se tunisianos e egípcios fizeram história através de embates com as forças oficiais e, principalmente, protestos pacíficos por democracia, a situação da Líbia já toma contornos bem distintos.

Diferentemente da queda de Hosni Mubarak, cujo símbolo foi a aglomeração sistemática de centenas de milhares de manifestantes no centro do Cairo, a contestação de Kadafi tem levado a Líbia a uma situação próxima de uma guerra civil. Após a realização de protestos em grandes cidade, como Trípoli e Benghazi, o litoral mediterrânico da Líbia virou cenário de uma batalha diária entre as forças do coronel e a resistência rebelde pelo controle das cidades, como Sirte- cidade natal de Kadafi - e a petrolífera Ras Lanuf.

Não há números oficiais, mas estima-se que mais de mil pessoas já tenham morrido desde meados de fevereiro. A onda de violência, por sua vez, gerou um êxodo de mais de pelo menos 100 mil pessoas, muitas das quais fogem pelas fronteiras egípcia e tunisiana. Esses números, aliados à brutalidade dos confrontos - como, por exemplo, o bombardeio a cidades rebeldes - vêm mobilizando lideranças da comunidade internacional, que cogitam a instauração de uma zona de exclusão aérea na Líbia, mas ainda não acenam para uma intervenção no país.

Com informações das agências AFP e EFE.

Fonte: Terra

compartilhe

publicidade