PUBLICIDADE

Dilma visita a Argentina em 1ª viagem oficial ao exterior

30 jan 2011 13h38
| atualizado às 14h50
Publicidade

A presidente Dilma Rousseff inaugura na segunda-feira sua política externa com uma visita à Argentina, a primeira viagem oficial ao exterior desde que assumiu o cargo, na qual está prevista a assinatura de uma aliança para um projeto de construção de reatores nucleares com fins pacíficos.

Presidente Dilma vai para a Argentina em primeira viagem internacional oficial
Presidente Dilma vai para a Argentina em primeira viagem internacional oficial
Foto: José Cruz / Agência Brasil

Dilma, que aterrissa na segunda-feira em Buenos Aires, se reunirá com sua colega argentina, Cristina Fernández de Kirchner, para discutir as relações bilaterais e oficializar a assinatura de vários acordos.

Um dos temas principais da visita é o acordo para desenhar um projeto conjunto que servirá para a construção de dois reatores destinados a testes científicos, que não serão empregados para fins militares, anunciou o subsecretário para a América do Sul, América Central e o Caribe do Ministério das Relações Exteriores do Brasil, Antonio Simões.

Simões acrescentou que ambos países desejam "trabalhar no desenvolvimento pacífico e de acordo com a visão da comunidade internacional".

A aliança será estabelecida entre a Comissão Nacional de Energia Nuclear do Brasil e sua contraparte argentina. Assim que o projeto for projetado, os dois países poderão realizar a construção de seu reator.

Dilma, que assegurou que "Brasil não dá mais as costas" ao país vizinho, quer que sua primeira visita à Argentina se centre em uma agenda ampla e completa de trabalho.

Além disso, está prevista a assinatura de um pacto de cooperação para a construção de um milhão de casas sociais na Argentina, que terá como modelo os programas aplicados pelo Brasil.

Os governantes pretendem dar um impulso também ao projeto de construção a partir de 2012 da hidrelétrica de Garabí, entre a província argentina de Corrientes e o estado brasileiro do Rio Grande do Sul, com capacidade para gerar 2,9 mil megawatts.

Antes de seu retorno a Brasília, Dilma participará de um almoço oferecido por Cristina e realizará uma entrevista coletiva na qual informará sobre o conteúdo da visita.

Segundo a agenda oficial da presidente, Dilma também se reunirá com representantes das "Mães da Praça de Maio", movimento liderado por mulheres que perderam seus descendentes na ditadura militar na Argentina.

EFE   
Publicidade