5 eventos ao vivo

Conclave elege primeiro papa de origem latino-americana

13 mar 2013
19h58

O cardeal jesuíta argentino Jorge Mario Bergoglio, de 76 anos, foi eleito nesta quarta-feira o 266º papa da Igreja Católica e o primeiro de origem latino-americana, o que o levou a dizer em sua primeira apresentação perante os fiéis que "parece que (os cardeais eleitores) foram buscá-lo quase no fim do mundo".

Bergoglio, que era o arcebispo de Buenos Aires, adotou como nome Francisco - algo inédito -, presumivelmente em homenagem a Francisco de Assis.

O novo papa foi eleito na quinta votação do conclave para decidir o sucessor de Bento XVI, que começou ontem na Capela Sistina do Vaticano e que teve a participação de 115 cardeais procedentes de 50 nações.

Quando tudo dava a entender que este segundo dia de conclave acabaria com fumaça negra, como ontem, às 19h06 locais (15h06 de Brasília) de hoje começou a sair fumaça branca da chaminé instalada no telhado da Capela Sistina. Praticamente ao mesmo tempo, o repique de sinos da Basílica de São Pedro confirmava que o Trono de Pedro tinha novo ocupante.

Em um clima de nervosismo, emoção, alegria e interesse por conhecer o nome do escolhido, dezenas de milhares de pessoas que lotavam a Praça de São Pedro em uma tarde chuvosa, assistiram pouco depois o cardeal protodiácono, o francês Jean-Louis Tauran anunciar a escolha com as palavras do ritual.

"Annuntio vobis gaudium magnun: Habemus Papam" (Vos anuncio uma grande alegria, temos papa).

Enquanto a multidão continha a respiração, ele acrescentou: "Eminentíssimun ac Reverendíssimum Dóminum, Dóminum Georgium Marium Sanctae Romanae Ecclesiae Cardinalem Bergoglio, qui sibi nomen imposuit Franciscum (o eminentísimo e reverendíssimo senhor, o senhor Jorge Mario, cardeal da Santa Romana Igreja Bergoglio, que adotou como nome Francisco.

Uma grande ovação e gritos de "viva o papa" se seguiram ao anúncio. Pouco depois, o novo pontífice chegou à sacada para saudar os fiéis e conceder a bênção Urbi et Orbi.

Suas primeiras palavras, em italiano, foram: "Irmãos e irmãs, boa tarde. Sabeis que o dever de um conclave é dar um bispo a Roma, e parece que meus irmãos cardeais foram buscá-lo quase no fim do mundo, mas estamos aqui", em meio aos aplausos dos presentes e tremular de bandeiras argentinas.

"Começamos este caminho da Igreja Católica Apostólica Romana, bispo e povo, juntos, em irmandade, amor e confiança recíproca. Rezemos uns pelos outros, por todo o mundo, para que haja uma grande irmandade. Este caminho deve dar frutos para a nova evangelização", acrescentou.

Francisco se apresentou vestido com a batina branca, mas sem mantelete vermelho. Segundo os observadores, essa vestimenta pode ser uma mostra de que quer ser um papa simples. O fato de que tenha se inclinado perante os fiéis também foi visto nessa direção.

Depois, pediu aos fiéis que orem a Deus para que o abençoe e lembrou Bento XVI, que, segundo fontes oficiais vaticanas, assistiu à fumaça branca, ao anúncio e à apresentação do novo papa pela televisão.

"Rezemos pelo nosso bispo emérito Bento XVI. Rezemos todos juntos por ele, para que o Senhor o abençoe e Nossa Senhora dele cuide", pediu, para depois recitar o Pai-Nosso.

O papa Francisco deu sua primeira bênção Urbi et Orbi - à cidade de Roma e a todo o mundo - e antes de ir embora pediu de novo que rezem por ele".

O novo papa deve comparecer amanhã à Basílica de Santa Maria Maior, de Roma para rezar à Virgem.

O porta-voz do Vaticano, Federico Lombardi, informou que a missa de início de pontificado será no dia 19 de março, festividade de São José, padroeiro da Igreja.

Lombardi destacou o novo papa por sua "simplicidade e testemunho evangélico e seu estilo espiritual" e a forma humilde com a qual se apresentou aos fiéis, além do fato de que venha da Argentina, "de outro continente", o continente americano, onde vive mais da metade dos católicos do mundo.

Com a escolha, chega ao fim uma etapa de Sé Vacante da Igreja Romana, iniciada às 16h de Brasília de 28 de fevereiro, quando foi efetivada a renúncia de Bento XVI.

O segundo conclave do terceiro milênio começou às 13h33 de ontem, quando o mestre de cerimônias pontifícias, o arcebispo Guido Marini, pronunciou o "Extra Omnes", para que todos os não participantes do conclave se retirassem.

A primeira fumaça negra aconteceu às 19h41 locais (15h41 de Brasília) de ontem. A segunda, às 11h38 locais de hoje, e à tarde apareceu a fumaça branca, anunciando aos mais de 1,2 milhão de católicos em todo o mundo que eles têm um novo líder.

EFE   
publicidade