PUBLICIDADE

Com participação de brasileiro, concerto homenageia vítima do 11/9

9 set 2011 10h14
| atualizado às 13h13
Publicidade
Felipe Schroeder Franke

Herman Sandler se encontrava em seu escritório da Torre Sul do World Trade Center quando, às 8h46 do dia 11 de setembro de 2001, o voo 11 da American Airlines atingiu a Torre Norte. Sandler, ainda sem saber ao certo como reagir, disse aos seus empregados que podiam ir embora. Alguns ficaram; ele também. Pouco depois, o voo 175 da United Airlines atingiu a torre, abaixo do andar onde estavam. O empresário, alguns funcionários e mais centenas ficaram presos no prédio, que desabou às 9h59.

Esboço com correções do Trio No. 2, recebido e organizado por Rodrigo Bustamente: trabalho de uma década
Esboço com correções do Trio No. 2, recebido e organizado por Rodrigo Bustamente: trabalho de uma década
Foto: Mariana Bittencourt / Terra

Hoje, 10 anos depois da tragédia, o seu nome voltará ao público de Nova York com o concerto Trio No. 2 - In memory of Herman Sandler, escrito pelo compositor americano Stanley Silverman. A peça será executada pelo trio Kalichstein-Laredo-Robinson e contará com a presença do cantor Sting. A première, marcada para os dias 14 e 15 de setembro no Kaufmann Concert Hall, será o resultado de uma década de trabalho Silverman ao lado de Rodrigo Bustamante, amigo e músico brasileiro.

A ideia da homenagem a Sandler partiu de Ben Silverman, filho do compositor. "Um amigo da família, meu mentor, e um grande incentivador das artes; um dos homens mais generosos, divertidos e gentis que eu e meu pai já conhecemos", resume o pupilo, produtor televisivo das séries The Office e Ugly Betty. No dia do atentado, Ben estava em Los Angeles, quando recebeu por telefone a notícia das Torres Gêmeas e da morte de Sandler. "Nós (eu e meu pai) ficamos ávidos por fazer algo em sua memória".

A gestação da obra não foi linear. "Por volta de 2001 e 2002, o primeiro rascunho (da composição) estava muito triste, um pouco descaracterizado, pois muito da minha música contém alegria. O trio recusou-se a tocar, disseram que a música estava torturante. Então voltei a trabalhar nela e por uns oito, dez anos procurei torná-la mais feliz, dando-lhe mais vida e menos tristeza", conta Stanley Silverman. "De um modo geral, era como se a vida retornasse à canção".

Stanley credita grande parte do processo da composição a Rodrigo Bustamante, violinista brasileiro natural de Minas Gerais e morador do Rio Grande do Sul. No período após o atentado, Rodrigo fazia mestrado em Nova York. Foi quando conheceu e se fascinou pela obra de Stanley, de quem acabou gravando In Celebration, peça escrita também em homenagem a figuras históricas dos Estados Unidos.

Vislumbrando o longo caminho que a composição lhe reservava, Silverman convidou Rodrigo para lhe ajudar na organização da obra. Trabalhando de seu apartamento em Porto Alegre, Rodrigo passou anos recebendo envelopes com as observações e avanços na peça. Em 2009, os pentagramas começaram a ser transpostos para o computador. E a peça, à medida que os 10 anos do atentado se aproximavam, começava a tomar forma definitiva.

"É uma peça que tem trechos de extrema vanguarda, complexos, e outros mais tonais, ou seja, com uma harmonia mais tradicional. É uma peça de audição complexa, que exige não somente sentar, ouvir e gostar; tem uma dramaticidade muito forte", analisa o violinista, que considera a composição "totalmente do século XXI".

Tal qual peça moderna, característico do Trio No. 2 é a mistura de estilos e influências, que abrangem desde o erudito moderno até o pop. Exemplo é o cantor Paul Simon, cuja canção You can call me Al é referência explícita para Les Folies d'Al, o sétimo e último movimento do Trio. Há também a inserção de ritmos espanhóis na Guajira y Fuga, terceiro movimento, em lembrança à música latina presente nas rádios de Nova York.

A participação de Sting ocorre no quarto movimento, Introduction & Lute Song, que evoca o poema Fear no more the heat o' the sun (Não temas mais o calor do sol), da comédia Cymbaline, de William Shakespeare. "É uma oração", diz Stanley, e "pertence à parte triste". Na peça, Shakespeare usa o poema na oração funeral de um herói morto.

Ouvinte privilegiado, Bustamante avalia que "é óbvio que o caráter (do Trio) é mais sombrio. Tu vais ter momentos de músicas que serão muito agradáveis, mas ela tem um caráter dramático muito forte". A avaliação não deixa de destoar do conceito que Silverman acredita ter concedido à obra, que, segundo ele próprio, passou por um importante processo para se tornar "mais feliz".

Esta passagem do pesar à alegria poderá espelhar o próprio semblante de Nova York e seus habitantes que se preparam para, dentro de poucos dias, celebrar o renascimento da vida após os atentados. Como o próprio prefeito Michael Bloomberg declarou na última semana sobre a superação dos traumas do terrorismo: "Nova York ressuscitou mais rápido do que ninguém acreditava ser possível".

Rápido ou não, para Stanley e Rodrigo o processo também levou 10 anos.

Fonte: Terra
Publicidade