PUBLICIDADE

Casa Branca: se pudéssemos, teríamos levado Bin Laden vivo

2 mai 2011 - 15h16
(atualizado às 16h29)
Publicidade

O conselheiro-chefe para antiterrorismo da Casa Branca, John Brennan, garantiu nesta segunda-feira que, se fosse possível, Osama bin Laden teria sido levado com vida de sua mansão em Abbottabad, no Paquistão. "Se nós pudéssemos, nós teríamos feito isso", afirmou Brennan em pronunciamento feito na Casa Branca, elogiando a "decisão valente" tomada pelo presidente Barack Obama ao assumir a responsabilidade e autorizar o ataque.

O conselheiro-chefe para antiterrorismo da Casa Branca, John Brennan, fala a jornalistas na Casa Branca
O conselheiro-chefe para antiterrorismo da Casa Branca, John Brennan, fala a jornalistas na Casa Branca
Foto: Getty Images

Os Estados Unidos, segundo Brennan, esperam manter o trabalho no país asiático e eliminar as bases da Al-Qaeda, uma vez que, no seu entendimento, é improvável que Bin Laden pudesse se manter escondido na cidade sem uma base de apoio. Isso faz parte da sua mensagem de que "o terrorismo é uma estratégia do passado, não do futuro". Brennan, todava, chegou a afirmar que "Bin Laden contou com algum apoio paquistanês".

Brennan ainda disse que a ação de assalto à casa de Bin Laden foi conduzida de modo a não precisar contar com o envolvimento das forças paquistanesas. Quanto ao questionamento sobre a liberação de mais fotos que possam elucidar as circunstâncias em que o ataque à mansão ocorreu, Brennan disse que ainda está ponderando se novas imagens poderão ser liberadas.

Um dos poucos detalhes, liberados pelo jornal The Guardian, indicava que uma mulher teria morrido no ataque após ter sido usada como escudo humano dos tiros das tropas americanas. Brennan informou que Bin Laden estava escondido atrás de uma mulher que foi usada como proteção, confirmando a informação e mostrando, ao seu ver, "o tipo de caráter" do terrorista. A mulher morreu. Ele também acrescentou que não sabe se Bin Laden estava em condições de usar uma arma de fogo.

Brennan informou que a operação foi integralmente acompanhada em tempo real pelo governo norte-americano e que todos respiraram "aliviados" quando os soldados conseguiram confirmar que realmente haviam alcançado Bin Laden e que então sentiram-se seguros para comunicar o povo americano do feito alcançado em solo paquistanês. Ele também voltou a garantir que o sepultamente de Bin Laden ocorreu de acordo com a tradição islâmica.

Osama bin Laden é morto no Paquistão
No final da noite de 1º de maio (madrugada do dia 2 no Brasil), o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, anunciou a morte do terrorista Osama bin Laden. "A justiça foi feita", afirmou Obama num discurso histórico representando o ápice da chamada "guerra ao terror", iniciada em 2001 pelo seu predecessor, George W. Bush. Osama foi encontrado e morto em uma mansão na cidade paquistanesa de Abbottabad, próxima à capital Islamabad, após meses de investigação secreta dos Estados Unidos .

A morte de Bin Laden - o filho de uma milionária família que acabou por se tornar o principal ícone do terrorismo contemporâneo -, foi recebida com enorme entusiasmo nos Estados Unidos e massivamente saudada pela comunidade internacional. Enquanto a secretária de Estado dos EUA afirmava que a batalha contra o terrorismo continua, o alerta disseminado em aeroportos horas depois da notícia simboliza a incerteza do impacto efetivo da morte de Bin Laden no presente e no futuro.

Fonte: Terra
Publicidade