0

Brasil e Argentina não querem Cúpulas das Américas sem Cuba

13 mar 2012
18h57
atualizado às 19h02
  • separator

O chanceler argentino, Héctor Timerman, de visita no Brasil, e seu colega brasileiro, Antonio Patriota, manifestaram nesta terça-feira sua intenção de que a próxima Cúpula das Américas, que será realizada na Colômbia em abril, seja a última sem a participação de Cuba.

"Esta tem que ser a última cúpula da qual Cuba não participa", disse o ministro argentino de Relações Exteriores em entrevista coletiva conjunta com Patriota em São Paulo.

Timerman, que nesta terça-feira se reuniu com o chefe da diplomacia brasileira, acrescentou que seu Governo "agradece à Colômbia", país anfitrião, pelos esforços realizados.

O ministro acrescentou que a presença da ilha caribenha na reunião é necessária para que "finalmente a Cúpula seja das Américas".

Patriota mostrou sua concordância com a postura de Timerman e acrescentou que na reunião anterior o então presidente Lula já tinha manifestado sua intenção de que Cuba participasse do encontro.

Por outra parte, o ministro brasileiro expressou seu objetivo de visitar a Argentina "em breve" e anunciou reuniões mais frequentes entre os subsecretários dos dois ministérios para "aprofundar a agenda de cooperação" entre os países.

O chanceler brasileiro também afirmou que a reunião tinha sido eminentemente de caráter político e que tinham revisado os assuntos bilaterais, regionais e globais.

A primeira Cúpula da Américas aconteceu em Miami em 1994 com a participação dos 34 países-membros ativos da Organização dos Estados Americanos (OEA), da qual Cuba foi suspensa em 1962.

A suspensão foi levantada em 2009, mas o Governo cubano não fez os trâmites para se reincorporar e disse que não tem intenção de fazer.

O Governo dos EUA manifestou abertamente sua rejeição a convocar Cuba a Cartagena de Indias, onde será realizada a reunião de abril, por considerar que esse país não cumpre com os requisitos democráticos fixados em 2001 pelos participantes.

Veja também:

Como funcionam as eleições presidenciais nos EUA
EFE   
publicidade