0

Banco Mundial: há 97% de consenso sobre aquecimento global

19 jun 2013
14h34
atualizado às 16h20
  • separator
  • comentários

O mundo deveria parar de discutir se as mudanças climáticas são causadas por humanos e começar a agir para encerrar os perigosos aumentos de temperatura, disse o presidente do Banco Mundial, Jim Yong Kim, nesta quarta-feira.

Segundo Kim, há de 97% a 98% de consenso entre os cientistas de que o aquecimento global é real e causado pela atividade humana. "Se você discorda da ciência das mudanças climáticas causadas pelo homem, não está discordando de que há mudanças climáticas antropogênicas. Está em desacordo com a própria ciência", disse Kim no evento Thomson Reuters Newsmaker, em Londres.

"É hora de parar de discutir sobre se ( mudança climática ) é real ou não", disse ele. Um estudo realizado no mês passado constatou que 97% dos cerca de 4 mil relatórios científicos que dão uma opinião sobre o tema das mudanças climáticas desde a década de 1990 dizem que o fenômeno é causado principalmente por humanos. Os críticos dizem que o levantamento erroneamente omitiu milhares de documentos.

Governos de todo o mundo concordaram em limitar o aumento da temperatura global em até 2°C. As estimativas divergem sobre como altas temperaturas podem subir e em que período de tempo.

O Banco Mundial e outros estimam que o planeta já aqueceu cerca de 0,8°C desde a Revolução Industrial, e o teto de 2°C é amplamente visto como um limite para mudanças perigosas, como mais inundações, ondas de calor e elevação do nível do mar.

O Banco Mundial quer mais foco sobre a questão. A falta de um acordo internacional é uma "desculpa esfarrapada" para não combater a mudança climática, disse Kim. As tentativas de fechar um acordo sobre um plano de ação para combater as mudanças climáticas fracassaram em uma conferência da ONU em Copenhague em 2009, principalmente por causa de preocupações sobre o impacto econômico das medidas a serem tomadas.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade