Sites relacionados
11 de setembro
Terror na Espanha

 Notícias por e-mail

Fale conosco
Atentado em Londres
Sexta, 8 de julho de 2005, 11h48 
Sala de bate-papo online mantém finanças de Londres funcionando
 
Jane Merriman e Alistair MacDonald
 
 Últimas de Atentado em Londres
» Família de Jean Charles diz que multa não é suficiente
» Britânico é acusado de envolvimento nos atentados de Londres
» Suspeito é acusado de possuir manual da Al-Qaeda
» Jean Charles: Brasil critica absolvição de policiais
Uma sala de secreta de bate-papo online, operada pelas autoridades regulatórias do setor financeiro britânico, ajudou a manter os mercados financeiros de Londres abertos depois das explosões ocorridas na cidade na quinta-feira.

O Banco da Inglaterra, o Tesouro do país e a Autoridade de Serviços Financeiros (FSA) ativaram uma seção segura de seu site Financial Sector Continuity, para conversar com os grandes bancos que operam na City, o centro financeiro de Londres, e descobrir qual era a situação nas instituições.

"À luz dos acontecimentos de ontem, as autoridades triplas (Tesouro, Banco da Inglaterra e FSA) ativaram a seção de contingência do site", anunciaram os órgãos na sexta-feira.

O site, estabelecido depois dos atentados de 11 de setembro de 2001 contra o World Trade Center, de Nova York, permite que as autoridades regulatórias coordenem ações e se comuniquem com o setor de serviços financeiros caso haja um evento devastador como os atentados contra um ônibus e trens do metrô londrino, que mataram mais de 50 e feriram centenas de pessoas.

O site tem uma seção segura na qual as autoridades podem se comunicar diretamente com os grandes bancos, que são a chave para a estabilidade do sistema financeiro internacional.

"Nós, as autoridades, estamos todas em contato umas com as outras, e com a infra-estrutura financeira", disse uma porta-voz do Banco da Inglaterra.

Os mercados financeiros da City, onde câmbio, ações, títulos e commodities no valor de trilhões de dólares são negociados a cada dia, se mantiveram abertos apesar dos percalços causados pelas explosões.

O banco suíço UBS, por exemplo, evacuou por um breve período o seu edifício em Liverpool Street, que abriga as mesas de operação de câmbio e de títulos da instituição, mas planos de contingência garantiram que as operações não fossem prejudicadas.

A Corporation of London, que administra o centro financeiro londrino, e a polícia da City também dispõem de um sistema de comunicação seguro via Internet, usado na quinta-feira para oferecer conselhos a bancos e outras instituições localizadas na "milha quadrada" do centro europeu de operações de algumas das maiores companhias financeiras do mundo.
 

Reuters

Reuters Limited - todos os direitos reservados. Clique aqui para limitações e restrições ao uso.