PUBLICIDADE

Tibetano morre ao atear fogo em si mesmo em novo protesto

29 mar 2012 05h48
| atualizado às 10h23
Publicidade

Um monge pôs fogo ao próprio corpo no Tibete em protesto pela ocupação militar chinesa nessa região do Himalaia, informou nesta quinta-feira o porta-voz do exílio tibetano em Nova Délhi, Tempa Tsering.

Tsering precisou que o monge, identificado como Sherab, de 20 anos, faleceu ontem em Chaer, na região de Ngaba, provínciade Sichuan, para denunciar "a ocupação chinesa e a sistemática violação de direitos humanos no Tibete".

Após a ação de protesto, as autoridades chinesas confiscaram o corpo e impediram sua cremação por parte de seus familiares, indicou o Centro Tibetano pelos Direitos Humanos e a Democracia, em comunicado. No comunicado se acrescenta que o Exército chinês reforçou sua presença na área.

Mais de 30 tibetanos, a maioria monges e freiras budistas, faleceram após colocar fogo em seus próprios corpos na onda de protestos que se iniciou no ano passado contra a situação no Tibete, ocupado em 1950 pelo Exército chinês.

A última imolação aconteceu em Nova Délhi, onde o ativista tibetano Jamyang Yeshi, de 26 anos, se imolou na última segunda-feira em protesto pela visita do presidente chinês, Hu Jintao, para assistir a uma cúpula dos Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul).

Yeshi morreu ontem na capital indiana após sofrer queimaduras em 90% de seu corpo.

EFE   
Publicidade