PUBLICIDADE

Paquistão: Dia da Malala homenageia a jovem baleada pelo Talibã

10 nov 2012 09h33
Publicidade

As famílias de mais de três milhões de crianças paquistanesas vão receber ajuda financeira do governo para manter seus filhos na escola. Segundo a Aljazeera, a notícia foi dada neste sábado, e marca a comemoração do primeiro Dia da Malala, data que empresta o nome da adolescente baleada pelo Talibã em uma escola.

Crianças rezam por Malala Yousafzai, jovem de 15 anos que sofreu atentado do Talibã por promover a educação feminina
Crianças rezam por Malala Yousafzai, jovem de 15 anos que sofreu atentado do Talibã por promover a educação feminina
Foto: EFE

Malala Yousafzai, 15 anos, promovia a educação das mulheres em seu país e criticava o grupo armado. Há exatamente um mês, em 9 de outubro, o Talibã baleou a jovem na cabeça - ela foi tratada em um hospital britânico e está estável, diz o jornal. O Dia da Malala foi designado pela ONU.

Após o ataque, Malala ficou famosa no mundo todo, e milhões de pessoas começaram a assinar petições online pedindo que as autoridades apoiassem a iniciativa de adolescente. O próprio presidente paquistanês, Asif Zardari, assinou o documento, na sexta-feira, pelas mãos de Gordon Brown, ex-primeiro ministro britânico.

"Os sonhos da Malala representam o que tem de melhor sobre o Paquistão", afiançou Brown. O enviado da ONU para a educação global ainda apresentou uma segunda petição. Nela, outra vez com um milhão de apoiadores subscritos, as pessoas pedem educação gratuita para todos no Paquistão.

O governo aproveitou a ocasião para anunciar um programa que pagará à população de baixa renda US$ 2 por mês por criança que frequentas as salas de aula. Os recursos virão do Reino Unido e do Banco Mundial. O programa atual garante US$ 10 mensais para mantimentos básicos.

A eficiência da iniciativa tem sido endossada por um programa semelhante na província de Punjab, onde o número de meninas nas escolas aumentou 9% ao longo de dois anos, segundo estudo do Bando Mundial divulgado pelo grupo de ativistas digitais Alaphia Zoyad.

O Paquistão atualmente investe apenas 2,5% do PIB em educação, segundo a Unicef, enquanto despesas militares somam até dez vezes mais. A taxa de analfabetismo no país é de 58%, média que também aparece quando consideradas apenas as entrevistadas mulheres.

Brown afirmou que o Reino Unido está disposto a ajudar o Paquistão - o país europeu deve injetar US$ 1 bi na nação asática para promover a educação básica - mas disse que é preciso "auto-ajudar". "Não é bom o bastante investir apenas 2% do deu produto interno bruto and educação no momento em que se pretende ser bem sucedido em educação e economia", garantiu o ex-primeiro ministro.

Além das petições em prol da educação paquistanesa, há também um documento pedindo a indicação de Malala para o prêmio Nobel da Paz. Neste sábado, além da visita oficial de Brown, escolas de todo o país também homenagearam a jovem.

Fonte: Terra
Publicidade