0

Israel abate avião não-tripulado que teria partido do Líbano

25 abr 2013
15h04
atualizado às 15h13

Um caça-bombardeiro israelense abateu nesta quinta-feira um avião não-tripulado (drone) que aparentemente teria partido do Líbano e se encontrava na costa noroeste de Israel, na altura da cidade de Haifa, informou o Exército do país.

O abate do avião não-tripulado ocorreu uma hora depois do mesmo ter sido identificado "se movimentando do norte ao sul pela costa libanesa", um fato que fez com o que Exército israelense o determinasse como um "aparelho hostil", indicou o porta-voz para meios estrangeiros, Peter Lerner, em conversa telefônica.

Após a identificação, a Força Aérea israelense enviou helicópteros e aviões de combate à região, sendo que um deles, um caça-bombardeiro F-16, lançou um míssil contra o drone no momento em que o mesmo entrava no espaço aéreo israelense, acrescentou a fonte.

O drone foi derrubado a cerca de 6 mil pés de altura (mais de 1,5 mil metros) e a umas cinco milhas náuticas do litoral de Haifa.

"Não sabemos exatamente para onde e nem de onde vinha o avião, mas as comprovações determinaram que se tratava de um aparelho hostil", afirmou Lerner, que assegurou que poderá confirmar esses dados com a análise dos destroços do drone.

Minutos depois de ter confirmado e anunciado o incidente, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, emitiu um breve comunicado no qual assinalou que vê "com grande gravidade" a tentativa de entrada do aparelho não-tripulado no espaço aéreo do país.

Já vice-ministro da Defesa de Israel, Dany Danón, acusou o Irã de estar por trás do ocorrido e se comprometeu a dar uma resposta à altura.

"Trata-se de uma provocação iraniana desafiante e, por isso, felicito nossas tropas por sua rápida resposta. Eles têm que sentir a reação e me comprometo que vão sentir", escreveu Danon em sua página do Facebook.

O comentarista de assuntos de defesa do "canal 10" da televisão israelense, Alon Ben David, assegurou que não acredita que "o objetivo fosse cometer um atentado, mas concordou com vice-ministro da Defesa ao exaltar que se trata de uma provocação".

O grupo xiita libanês Hezbollah, ao que Israel assinala como possível autor da ação, emitiu um comunicado relatando que não tem responsabilidade alguma no envio do drone.

Essa é a segunda vez nos últimos sete meses que o Exército israelense intercepta um drone que supostamente teria partido do Líbano.

No episódio anterior, ocorrido em outubro de 2012, o líder do grupo xiita libanês Hezbollah, Hassan Nasrallah, reivindicou a ação.

EFE   
publicidade