0

Coreia do Norte testa dois mísseis de curto alcance

29 mar 2012
22h30
atualizado em 30/3/2012 às 00h22
  • separator
  • comentários

A Coreia do Norte lançou nesta sexta-feira (hora local) dois mísseis de curto alcance em uma região próxima à sua costa noroeste, duas semanas antes de seu anunciado lançamento de um satélite, informou uma fonte militar sul-coreana à emissora pública KBS .

A fonte explicou que Pyongyang realizou o lançamento de dois mísseis terra-mar KN-01 com um alcance de 120 km desde a província de Pyongan do Norte, o mesmo lugar de onde o regime deve lançar entre os dias 12 e 16 abril um dispositivo de observação espacial mediante um foguete de longo alcance.

Os testes desta quinta-feira podem aumentar a tensão na península, embora o oficial sul-coreano tenha explicado que não estão relacionados com o lançamento do satélite, plano que boa parte da comunidade internacional condena por considerar que se trata na realidade de um teste encoberto de mísseis balísticos.

A autoridade militar especificou, no entanto, que o lançamento poderia ser interpretado como um gesto de protesto da Coreia do Norte pelo recente desdobramento de navios de guerra da Coreia do Sul e dos Estados Unidos no Mar Amarelo (Mar Ocidental) como parte de suas manobras conjuntas.

A Coreia do Norte já realizou lançamentos de teste de dois mísseis de curto alcance desde sua costa em 19 de dezembro e de outros três projéteis balísticos terra-terra do tipo KN-02 no começo de janeiro, também no extremo oriental do país.

Os lançamentos desta quinta, embora não descumpram disposição internacional alguma, acontecem em um momento de tensão, dias depois de a Coreia do Norte ter confirmado que prosseguirá com seu plano de lançar um satélite.

EUA, Coreia do Sul e vários países e organizações internacionais pressionam o regime comunista a abandonar seu plano, assegurando que o lançamento violaria uma resolução de 2009 do Conselho de Segurança das Nações Unidas.

O governo de Washington insistiu ainda que a ação das autoridades de Pyongyang complicaria a implementação do acordo assinado recentemente entre os dois países, que compromete o regime comunista a manter uma moratória de seus programas nucleares e de mísseis de longo alcance em troca de ajuda alimentícia.

EFE   

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade