0

Coreia do Norte faz nova ameaça contra os EUA

21 mar 2013
08h49
atualizado às 09h02

A Coreia do Norte disse que pode atacar bases militares dos Estados Unidos no Japão e na ilha de Guam, no Pacífico, se for provocada, um dia depois de o líder norte-coreano, Kim Jong-un, supervisionar a simulação de um ataque com uma aeronave não-tripulada à Coreia do Sul.

O Norte também realizou exercícios de ataques aéreos, na quinta-feira, depois de acusar os Estados Unidos de prepararem um ataque militar usando aviões de bombardeio que sobrevoaram a península coreana, como parte de exercícios militares da Coreia do Sul junto com forças norte-americanas.

A Coreia do Norte intensificou sua retórica em resposta ao que chama de exercícios militares "hostis" da Coreia do Sul com os Estados Unidos. O país também ficou irritado com a imposição de novas sanções da ONU, que veio após o teste nuclear realizado no dia 12 de fevereiro.

"Os Estados Unidos são aconselhados a não esquecerem que nossas ferramentas de precisão de alvo tem dentro de sua faixa de alcance a base Anderson da Força Aérea, em Guam, de onde o B-52 decola, bem como o continente japonês, onde submarinos nucleares estão alocados e bases da Marinha em Okinawa", informou o porta-voz do Supremo Comando Militar do Norte, segundo a agência de notícias KCNA.

Bases no Japão e no Pacífico norte-americano estão na faixa de abrangência dos mísseis de médio alcance da Coreia do Norte.

A Coreia do Norte disse que revogou o armistício que encerrou a Guerra da Coreia de 1950 a 1953 e ameaçou um ataque nuclear contra os Estados Unidos.

Separadamente, a Coreia do Sul disse que um ataque de hackers aos servidores de emissoras locais de TV e bancos, na quarta-feira, teve origem a partir de um endereço de IP da China, levantando suspeitas de que a intrusão veio da Coreia do Norte.

(Reportagem adicional de Ju-min Park)

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
publicidade