1 evento ao vivo

Capitão do navio Sewol levou 40 minutos para exigir evacuação

20 abr 2014
08h25
  • separator
  • comentários

O capitão da embarcação sul-coreana "Sewol" demorou 40 minutos para dar a ordem de evacuação, o que teria dificultado o resgate, revelou neste domingo a transcrição do diálogo entre a cabine e a torre de controle.

Lee Joon-seok, de 69 anos, pediu ajuda por rádio ao serviço de emergência às 8h55 (hora local) de quarta-feira, 16, ao detectar que o navio estava se inclinando, segundo a transcrição divulgada pelas autoridades da Coreia do Sul.

Durante os 40 minutos seguintes, o capitão contactou por até 11 vezes a torre de controle, mas foi só após às 9h30 (hora local), com a embarcação já tombada em 45 graus, que ele ordenou aos passageiros irem para o exterior da embarcação.

O capitão tinha solicitado que os passageiros ficassem em seus assentos, o que segundo os especialistas é o principal motivo para a maioria das 476 pessoas a bordo terem ficado presas no barco.

No sábado, o capitão explicou que demorou a iniciar a evacuação para proteger os passageiros diante das condições adversas do mar e da impossibilidade de utilizar as embarcações de resgate por não serem suficientes.

Neste domingo, o tempo melhorou no local do acidente e os mergulhadores puderam pela primeira vez entrar no interior do barco, e mais 19 corpos foram resgatados, número que deve aumentar nas próximas horas.

Segundo os últimos dados oficiais, há 244 desaparecidos, que provavelmente estão presos no interior da embarcação e com poucas chances de estarem vivos. O número de mortos oficiais é de 58, enquanto 174 pessoas fora resgatadas.

Dos 476 passageiros do "Sewol", 325 eram alunos de 16 e 17 anos de um instituto de Ansan, na periferia de Seul, cujo vice-diretor se suicidou na sexta-feira, dois dias após ser resgatado.

Além disso, hoje se confirmou a morte de um operário dos serviços de salvamento, que tinha entrado em coma ontem após receber um forte golpe na cabeça durante os trabalhos de resgate.

mapa do naufrágio - Coreia do Sul

EFE   
  • separator
  • comentários
publicidade