2 eventos ao vivo

Bangladesh vive protestos após desabamento que causou 292 mortes

26 abr 2013
07h04
atualizado às 07h13

Milhares de trabalhadores do setor têxtil saíram às ruas de Daca nesta sexta-feira para protestar pelo desabamento de um edifício que abrigava várias fábricas, em tragédia que deixou 292 mortos e dois mil feridos em Bangladesh.

Os manifestantes exigiram em vários pontos da capital a detenção dos donos do imóvel e das cinco fábricas que ficavam em seu interior.

O edifício Raza Plaza, de oito andares e que abrigava várias oficinas têxteis, um mercado e uma agência bancária, ruiu no começo da manhã de quarta-feira na localidade de Savar, 24 quilômetros ao noroeste da capital de Bangladesh.

Desde então, as equipes de auxílio trabalham contra o relógio em busca de sobreviventes, esforços que se prolongarão até sábado.

Segundo fontes policiais ouvidas pela imprensa local, 372 pessoas continuam desaparecidas, embora o número possa ser muito maior.

A Federação Nacional de Trabalhadores do Setor Têxtil (NGWF, na sigla em inglês) disse à Agência Efe que cerca de quatro mil trabalhadores podiam estar no interior do edifício no momento do desabamento.

O desastre voltou a evidenciar as más condições trabalhistas e de segurança que sofrem os trabalhadores do setor têxtil no país asiático, os mesmo que abastecem várias multinacionais ocidentais.

A Polícia Industrial acusou os proprietários das fábricas de ignorarem as rachaduras que apareceram no edifício na terça-feira, um dia antes da catástrofe.

Bangladesh é o país com os custos mais baratos de produção na indústria da roupa em todo o mundo, e por isso empresas de todas as partes do globo estão transferindo parte de sua produção para o país.

Segundo dados da NGWF, nos últimos 15 anos, acidentes ocorridos em fábricas têxteis (incêndios ou desabamentos) no país deixaram 600 mortos e três mil feridos.

EFE   
publicidade