2 eventos ao vivo

Acusado de genocídio, presidente do Sudão obtém apoio da China

29 jun 2011
04h24
atualizado às 04h48

Os chefes de Estado da China e do Sudão, Hu Jintao e Omar al-Bashir (reclamado pela Justiça internacional por genocídio), presidiram nesta quarta-feira em Pequim a assinatura de vários acordos de cooperação econômica e tecnológica, que incluíram empréstimos chineses para o desenvolvimento de infraestrutura e equipamentos.

Antes dos acordos, cuja quantia não foi detalhada, Hu e Bashir mantiveram no Grande Palácio do Povo um encontro no qual o líder chinês expressou a confiança de que a viagem de seu colega sudanês "consolide e desenvolva a tradicional amizade chinês-sudanesa e promova uma substancial cooperação", informou a agência oficial Xinhua.

Bashir também deve reunir-se nesta quarta-feira com o presidente da Assembleia Nacional Popular da China (ANP, Poder Legislativo), Wu Bangguo, e com o vice-primeiro-ministro Li Keqiang.

Segundo informações anteriores do Ministério das Relações Exteriores, os líderes chineses tentarão mediar nesta visita os conflitos que o Sudão mantém com o Sudão do Sul, que proclamará sua independência em 9 de julho, e na região de Darfur. Bashir chegou na terça-feira à capital chinesa, com um dia de atraso segundo o previsto por problemas para conseguir permissão para sobrevoar o espaço aéreo do Turcomenistão, de acordo com fontes do Ministério das Relações Exteriores do país norte-africano.

A viagem do presidente sudanês à China foi criticada por organizações pró-direitos humanos pelo fato de Bashir ser reclamado pelo Tribunal Penal Internacional (TPI) de Haia por crimes de guerra, contra a humanidade e genocídio. A ONG Human Rights Watch exigiu que Pequim não recebesse ou inclusive que detivesse Bashir, mas na terça-feira o Ministério das Relações Exteriores chinês insistiu que o Sudão é "um país amigo", e manifestou suas reservas a respeito da ordem de captura do TPI, lembrando que a China também não é membro do tribunal. Trata-se da quarta visita que Bashir faz à China, depois das de 1990, 1995 e 2006.

O Sudão é o segundo principal parceiro da China na África e um dos principais fornecedores de petróleo no continente. Durante a visita, a maior petrolífera chinesa, a CNPC, assinou um novo acordo de cooperação com o governo do Sudão que se acrescenta ao assinado em 2007, mas não foi revelada a quantia que a empresa investirá no país africano.

Hu Jintao e Omar al-Bashir assinaram acordos de cooperação econômica e tecnológica
Hu Jintao e Omar al-Bashir assinaram acordos de cooperação econômica e tecnológica
Foto: Reuters
EFE   
publicidade