0

Venezuela captura um dos líderes de guerrilha colombiana ELN

28 dez 2010
10h42
atualizado às 11h25
  • separator

Um importante líder da segunda guerrilha da Colômbia foi capturado na Venezuela numa nova mostra de cooperação na segurança entre os dois países e do avanço das relações bilaterais, anunciou nesta segunda-feira o presidente colombiano, Juan Manuel Santos.

O comandante rebelde capturado é Nilson Albín Terá Ferreira, conhecido como Tulio, segundo cabeça da frente de guerra no Norte do Exército de Libertação Nacional (ELN).

"Este bandido tinha 13 ordens de captura e foi condenado a 40 anos de prisão em junho de 2007... pelo sequestro e posterior assassinato de um conhecido criador de gado", disse Santos durante uma cerimônia de governo.

"Quero ressaltar este fato e agradecer ao presidente (Hugo) Chávez e às autoridades venezuelanas por esta colaboração crescente que estamos tendo em todas as frentes, incluindo, como aqui se demonstra, a frente da segurança", disse o presidente colombiano.

Em novembro, a Venezuela deportou para Bogotá outros dois integrantes do ELN e um outro das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

Por anos o presidente venezuelano foi acusado de ter relações com as Farc e com o ELN, assim como de permitir que dirigentes desses dois grupos, considerados organizações terroristas pelos Estados Unidos e pela União Europeia, se refugiassem em seu país.

O ex-presidente colombiano, Alvaro Uribe, antes de entregar o poder a Santos no último 7 de agosto, acusou o governo da Venezuela de permitir que importantes líderes guerrilheiros permaneçam em seu país para fugir da ofensiva militar na Colômbia.

Essa acusação fez com que Chávez rompesse relações diplomáticas com a Colômbia, mas com a chegada de Santos os laços entre os dois países foram restabelecidos.

Veja também:

Coronavírus impede pais de buscarem bebês de barriga de aluguel na Ucrânia
Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
publicidade