0

Unesco pede ao Peru medidas de emergência para proteger Machu Picchu

25 mai 2012
01h59
atualizado às 02h07
  • separator

Uma missão da Unesco pediu nesta quinta-feira às autoridades do Peru que tomem medidas de emergência para proteger o sítio arqueológico de Machu Picchu, entre elas frear o crescimento do povoado de Águas Calientes.

A espanhola Nuria Sanz, chefe para a América Latina e o Caribe da Unesco, informou à agência oficial "Andina" que o objetivo de sua visita foi "colaborar" com as autoridades peruanas para encontrar a melhor solução para a preservação de Machu Picchu.

"É preciso gerar uma dinâmica que permita um controle e um regulamento exigentes, de respeito com o lugar, de respeito com as autoridades pelo esforço que fazem e de respeito com o turista e com os serviços destinados a sua visita", explicou.

Sanz precisou que, nesse sentido, é necessário "tomar medidas de emergência rigorosas" perante o crescimento desordenado do povoado de Águas Calientes. A funcionária da Unesco informou que conversou com as autoridades da Prefeitura do distrito de Machu Picchu e lhes pediu que "delimitem a evolução do lugar de Águas Calientes".

Sanz acrescentou que o sítio arqueológico também está ameaçado pela construção de uma estrada alternativa de acesso ao santuário, pelo que recomendará consultas a especialistas em geodinâmica, infraestrutura hidráulica e comunicação.

Segundo a "Andina", os especialistas da Unesco oferecerão um primeiro boletim de sua avaliação dentro de duas semanas e seu relatório final em sete meses. A famosa cidade inca foi declarada patrimônio cultural da humanidade em 1983, mas nos últimos anos houve uma série de observações referentes à acessibilidade ao lugar, ao manejo dos resíduos sólidos deixados pelos turistas e a sua gestão por parte das autoridades locais.

Veja também:

Coronavírus impede pais de buscarem bebês de barriga de aluguel na Ucrânia
EFE   
publicidade