PUBLICIDADE

Restos de cantor assassinado chegam à Argentina para velório

12 jul 2011 09h40
| atualizado às 11h29
Publicidade

Os restos mortais do cantor argentino Facundo Cabral, assassinado no sábado passado na Guatemala, chegaram nesta terça-feira ao setor militar do aeroporto Jorge Newbery de Buenos Aires em um avião da Força Aérea do México.

Os restos mortais do cantor Facundo Cabral, assassinado na Guatemala, chegam ao Aeroporto Jorge Newbery
Os restos mortais do cantor Facundo Cabral, assassinado na Guatemala, chegam ao Aeroporto Jorge Newbery
Foto: EFE

Silvia Pousa, viúva de Cabral, decidiu que o corpo de seu marido será velado em um pequeno teatro de Buenos Aires para depois ser incinerado, como desejava o artista, informaram seus parentes.

O corpo foi recebido pela viúva, familiares e amigos, que acompanharam o chanceler, Héctor Timerman, e o secretário de Cultura, Jorge Coscia, entre outras autoridades argentinas.

A bordo do avião militar fretado pelo Governo mexicano, viajaram o ministro de Cultura da Guatemala, Héctor Escobedo, e o embaixador argentino nesse país, Ernesto López, que se encarregou da burocracia para repatriar o corpo do artista, morto aos 74 anos.

A viúva de Cabral tinha decidido em um funeral íntimo, mas o clamor dos admiradores do artista e de seus colegas fez com que ela mudasse de opinião e aceitasse que o corpo fosse velado no pequeno Teatro ND Ateneu, de Buenos Aires, indicaram as fontes.

Após o velório, os restos mortais de Cabral serão levados ao cemitério portenho de Chacarita para serem incinerados, como era a vontade do artista, apontaram.

O presidente da Guatemala, Álvaro Colom, encomendou a Escobedo que entregasse uma mensagem para a chefe do Estado argentino, Cristina Fernández, no qual ratifica o compromisso guatemalteco de esclarecer o tiroteio no qual morreu Cabral, indicaram fontes diplomáticas.

Cabral, designado mensageiro mundial da paz pelas Nações Unidas em 1996, foi assassinado a tiros na madrugada do sábado por um grupo de sicários que atacaram o veículo no qual viajava pela capital da Guatemala.

EFE   
Publicidade