0

Raul Castro apoia união homossexual, afirma sua filha

12 mai 2012
14h55
atualizado às 15h39

A filha do presidente cubano Raul Castro, a sexóloga Mariela Castro, disse neste sábado que o pai apoia os direitos dos homossexuais, incluindo a legalização da união entre pessoas do mesmo sexo. Mariela lidera na ilha uma cruzada contra a homofobia.

Manifestantes participaram de marcha contra a homofobia nas ruas de Havana
Manifestantes participaram de marcha contra a homofobia nas ruas de Havana
Foto: EFE

"Ele fez algumas defesas quanto à necessidade de avançar nos direitos relacionados à orientação sexual e à identidade de gênero", afirmou, ao responder sobre se seu pai apoiava sua campanha para que o Parlamento legalize as uniões de pessoas do mesmo sexo.

A sexóloga, que dirige o Centro Nacional de Educação Sexual, ressaltou que Raul Castro se "manifestou sobre o assunto em várias ocasiões", inclusive no congresso do Partido Comunista, em abril de 2011, e no Parlamento, além de outras pequenas reuniões.

"O presidente de Cuba (...) tem falado sobre o tema, mas ele não tornou isso público, certamente faz parte de sua tática e estratégia", acrescentou Mariela, depois de liderar uma conga em massa (dança popular cubana de origem africana) contra a homofobia nas ruas de Havana. "Ele mesmo disse que, como socialismo, não podemos progredir se continuarmos a viver com esses preconceitos", relatou.

Na terça-feira, durante a abertura da Quinta Jornada Cubana contra a Homofobia, que acontecerá até o final do mês, Mariela Castro disse esperar que neste ano o Parlamento aprove a legalização de casamentos homossexuais.

A proposta não abrange o casamento, somente as uniões consensuais amparadas pela legislação. A homossexualidade, tradicionalmente estigmatizada em Cuba, foi reprimida após o triunfo da revolução de Fidel Castro em 1959, com internamentos em campos de trabalho e marginalização, principalmente nas décadas de 1960 e 1970. Raul Castro substituiu em 2006 seu irmão, Fidel.

Em janeiro, a primeira Conferência Nacional do Partido Comunista concordou em acabar com toda forma de discriminação, incluindo contra a orientação sexual.

AFP Todos os direitos de reprodução e representação reservados. 

compartilhe

publicidade
publicidade