2 eventos ao vivo

Peru convoca embaixador no Chile em protesto por espionagem

Lima informou que investiga três integrantes de sua Marinha por suposta espionagem, entre 2005 e 2012, para o Chile

21 fev 2015
09h21
atualizado às 11h44
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
<p>Presidente do Peru, Ollanta Humala (com a faixa presidencial) com os ministros, durante cerimônia em Lima</p>
Presidente do Peru, Ollanta Humala (com a faixa presidencial) com os ministros, durante cerimônia em Lima
Foto: Andina Agency / Reuters

O governo do Peru convocou na sexta-feira para consulta seu embaixador em Santiago e enviou uma nota de protesto ao governo do Chile, país que acusa de atos de espionagem.

O anúncio foi feito pela primeira-ministra peruana, Ana Jara.

O ministério das Relações Exteriores enviou uma nota diplomática que informa a convocação para consulta do embaixador.

No texto, o governo peruano expressa "o mais enérgico protesto e repúdio por ações de espionagem contra a segurança nacional".

O chamado para consulta é uma medida diplomática na qual o embaixador retorna temporariamente a seu país em caráter de urgência, como sinal de descontentamento com uma medida ou ação do Estado com o qual mantém relações.

Na nota oficial, a chancelaria peruana pede ao governo chileno que realize "uma rápida e profunda investigação para processar os responsáveis por estes atos" e que informe os resultados ao governo peruano.

Também solicita "garantias de que as ações de espionagem não serão repetidas".

O Peru informou na quinta-feira que investiga três integrantes de sua Marinha por suposta espionagem, entre 2005 e 2012, para o Chile, fato que chamou de "vergonhoso", enquanto o presidente peruano Ollanta Humala considerou a situação "gravíssima para a relação bilateral".

O Chile negou as acusações e respondeu que "não promove nem aceita ações de espionagem em outros Estados nem em seu próprio território".

Peru e Chile, com relações marcadas por altos e baixos desde a Guerra do Pacífico (1879-83), conseguiram uma aproximação na última década graças ao comércio.

Os dois países aceitaram e aplicaram rapidamente a decisão de um tribunal internacional, que em janeiro de 2014 reconheceu para o Peru mais de 50.000 km2 de mar em disputa e traçou de maneira definitiva a fronteira marítima entre ambos.

Veja também:

Mulheres pró aborto e policiais se enfrentam no México
AFP Todos os direitos de reprodução e representação reservados. 
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade