0

Paraguai: Lugo diz que aceitou impeachment para 'evitar mais sangue'

Ex-presidente pediu que dois candidatos à presidência sejam investigados pelo massacre de Curuguaty, principal argumento para sua destituição

2 abr 2013
20h05
atualizado às 20h06
  • separator
  • 0
  • comentários

O ex-presidente do Paraguai, Fernando Lugo, disse nesta terça-feira que aceitou sua destituição do poder em junho do ano passado “para evitar mais sangue”. Quase dez meses após ter deixado a presidência, o hoje candidato a senador defendeu que os presidenciáveis dos partidos Colorado e Liberal seja investigados pelo massacre de Curuguaty, principal argumento do juízo político que terminou com seu impeachment por “mal desempenhos de suas funções”. As informações são do jornal Ultima Hora.

<p>Em junho passado, Lugo sofreu impeachment por 'mal desempenhos de suas funções'</p>
Em junho passado, Lugo sofreu impeachment por 'mal desempenhos de suas funções'
Foto: AP

“Havia tanta informação naqueles dias, de que realmente mais gente morreria. Morreriam dirigentes campesinos, famílias campesinas pobres que vinham para defender um processo e eu não queria carregar para o túmulo esse peso na consciência, com a morte de inocentes”, afirmou Lugo em entrevista à rádio 1080 AM.

Ele ratificou a posição da Frente Guasú, seu grupo político, para que o candidato colorado à presidência Horacio Cartes, o deputado Óscar Tuma, o presidente do Partido Liberal Blas Llano e o presidenciável do mesmo partido Efraín Alegre sejam investigados pelo massacre.

Lugo afirmou que a operação para desocupar a fazenda de um ex-presidente do Partido Colorado realizada em 15 de junho de 2012 tinha tudo para acabar de maneira pacífica. No entanto, cinco policiais e 11 campesinos morreram durante um forte confronto. Para o ex-presidente, “sempre haverá uma parte nebulosa, uma espécie de manto negro na história recente do Paraguai”. A eleição de Lugo, em 2008, pôs fim a mais de 60 anos de governos ininterruptos do Partido Colorado, principal força conservadora no país.

No próximo dia 21 de abril, os paraguaios vão eleger o novo presidente e os novos senadores e deputados. As pesquisas indicam que Horacio Cartes, do Partido Colorado, é o favorito, seguido pelo liberal Efraín Alegre.

Lugo concorre ao Senado pela Frente Guasu, que tem o médico Aníbal Carrillo como candidato à presidência. O apresentador Mario Ferreiro, que dividiu o grupo político de Lugo, é o representante da esquerda melhor colocado nas pesquisas: está em terceiro lugar, com cerca de 10% das intenções de voto.  

Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade