PUBLICIDADE

América Latina

Mulher de mineiro se recusa a ver resgate devido a traição

12 out 2010 - 10h08
(atualizado às 10h42)
Compartilhar
Direto do Chile

Na maior parte da cidade de Copiapó, no norte do Chile, o ambiente é de festa e expectativa para receber os mineiros, presos no subsolo há mais de dois meses. Porém, entre bairros inteiros decorados com bandeiras, uma residência se mantém do mesmo jeito de antes: é a casa de Marta Salinas Cabello, mulher do mineiro Jhonny Barrios há 28 anos.

Trabalhando no modesto armazém que tem em seu domicílio, Marta diz que não pretende "ver o resgate nem pela TV". Enquanto mostra as mais de 60 cartas que Barrios a enviou, a mulher não esconde a frustração pelo momento em que passa.

"Estou feliz porque ele está vivo, é um milagre de Deus, mas não vou assistir ao resgate. Ele me pediu, mas também convidou outra mulher com quem ele está agora, e eu tenho decência. A coisa é clara, ela ou eu", disse Marta. "Nem na televisão eu vou assistir, as conversas pelo telefone e por cartas bastam e isso é suficiente para mim", afirmou ela.

História que preocupa a presidência

O caso de Jhonny Barrios não passou despercebido pelas autoridades nestes dois meses. Até a primeira-dama chilena, Cecilia Morel, preocupou-se com a situação de Marta Salinas.

É verdade, na visita de fim de semana tivemos uma reunião particular em que ela me ajudou psicologicamente", disse Marta. "Ela se pôs no meu lugar, a presidência conhece o meu problema e me disseram que não era má a minha decisão de não ir, de deixar que ela (nova parceira de Barrios) vá tranquilamente. Isso é amor", afirmou a mulher, que diz saber perfeitamente quais seus direitos de casada.

Desmoronamento

Familiares compram presentes para receber mineiros:

Em 5 de agosto, um desmoronamento na mina San José, em Copiapó, deixou 33 trabalhadores presos em uma galeria a quase 700 m de profundidade. Após 17 dias, as equipes de resgate conseguiram contato com o grupo e descobriram que estavam todos vivos por meio de um bilhete enviado à superfície. A partir daí, começou a operação para retirá-los da mina em segurança.

A escavação do duto que alcançou os mineiros durou 33 dias. O processo terminou no sábado, quando os martelos das perfuradoras chegaram até o abrigo onde eles estão. Concluída esta etapa, as equipes de resgate decidiram revestir o duto - ainda que parcialmente - para aumentar a segurança antes de retirá-los. O içamento estava previsto para começar à 0h de quarta-feira, mas pode ser antecipado para as 20h de terça.

A cápsula Fênix, que será usada para içar os mineiros, tem 53 cm de diâmetro. Todo trajeto de subida durará cerca de 15 minutos, apesar de a operação de saída levar cerca de uma hora para cada mineiro. Durante todo o percurso de subida, eles terão suas condições de saúde monitoradas, usarão tubos de oxigênio e se comunicarão com as equipes da superfície por meio de microfones instalados nos capacetes.

Fonte: Terra
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra