0

Morre Alberto Granado, companheiro de Che em viagem de moto

5 mar 2011
15h51
atualizado em 6/3/2011 às 10h05

Alberto Granado, amigo e companheiro de Ernesto Che Guevara em sua viagem de motocicleta pela América do Sul, morreu neste sábado em Havana aos 88 anos, confirmaram à agência Efe fontes familiares.

Amigos acompanham o velório de Alberto Granado, amigo e companheiro do guerrilheiro Ernesto "Che" Guevara em sua viajem de motocicleta pela América do Sul
Amigos acompanham o velório de Alberto Granado, amigo e companheiro do guerrilheiro Ernesto "Che" Guevara em sua viajem de motocicleta pela América do Sul
Foto: EFE

Granado, nascido em 8 de agosto de 1922 em Córdoba (Argentina) e estabelecido em Cuba desde 1961, morreu de causas naturais, explicou seu filho Alberto Granado. A televisão estatal cubana definiu neste sábado Granado como um "fiel amigo de Cuba" e detalhou que, segundo sua vontade, será cremado neste sábado em Havana e suas cinzas serão espalhadas por Cuba, Argentina e Venezuela.

Amigo de infância de Che Guevara, ele foi seu acompanhante na viagem que realizaram de motocicleta em 1952 pela América do Sul, um percurso que despertou a consciência política do guerrilheiro argentino.

Sobre "La Poderosa", a moto de Granado, os dois percorreram juntos boa parte do Cone Sul até que, nove meses depois, se separaram na Venezuela. A viagem foi levada ao cinema em 2004 pelo filme Diários de Motocicleta , dirigido por Walter Salles e protagonizado pelo mexicano Gael García Bernal, no papel de Che, e pelo argentino Rodrigo de la Serna, como Alberto Granado.

Após essa viagem, Granado retornou à Argentina para trabalhar como bioquímico, mas, após o triunfo da revolução cubana, Che o convidou para ir a Havana e, um ano depois, decidiu ficar na ilha com sua esposa e seus filhos. Em 2008, Alberto Granado viajou à Argentina para participar das comemorações do 80º aniversário de nascimento de Che Guevara na cidade de Rosário.

Sua última viagem ao exterior foi ao Equador há alguns meses, disse à agência Efe seu filho, que destacou que Granado foi um "grande revolucionário" e um homem que amava muito a vida.

EFE   

compartilhe

publicidade
publicidade