0

Grupo de movimentos sociais cria frente contra novo governo paraguaio

23 jun 2012
19h44
atualizado em 25/6/2012 às 18h28
  • separator

Um grupo de movimentos sociais e pequenos partidos políticos no Paraguai anunciou neste sábado que pretende fazer oposição ao governo do novo presidente do país, Federico Franco. O grupo vai lançar na segunda-feira a Frente para Defesa da Democracia. Os integrantes são aliados do ex-presidente Fernando Lugo, destituído ontem do poder, após a aprovação de um processo de impeachment contra ele.

Frente para Defesa da Democracia disse não reconhecer o governo Franco
Frente para Defesa da Democracia disse não reconhecer o governo Franco
Foto: Reuters

Paraguai vota impeachment de Fernando Lugo; entenda a crise:
Trajetória de Fernando Lugo na presidência paraguaia
Confira a cronologia da crise no Paraguai
Lugo, o bispo dos pobres que chegou à presidência
Federico Franco, o novo presidente paraguaio

O deputado Ricardo Canese (Partido Guasú) e Oscar Sostoa, ex-vice-ministro do Interior do governo Lugo, lideram o grupo para a formação da frente, cujos integrantes se reuniram hoje para definir uma assembleia na segunda-feira. Na ocasião, eles vão eleger o presidente, o vice e secretário-geral da entidade.

Na reunião, vários integrantes do grupo discursaram. Eles disseram que farão campanha para levar a sociedade a aderir ao que foi chamado de mobilização pacífica ativa. A ideia é promover manifestações com cobranças e críticas ao governo Franco, mas de forma pacífica e sem uso da violência.

Os integrantes do grupo reclamaram do que definiram como "campanha do medo". Com receio da repressão policial e militar, muitos paraguaios ficaram em casa ontem, evitando a participação nos protestos contra a destituição de Lugo. Segundo Oscar Sostoa, houve um "clima de terror" para amedrontar os manifestantes e esvaziar as ruas.

O comando da Frente para Defesa da Democracia, que ainda não foi instituída oficialmente, disse não reconhecer o governo Franco e quer que Lugo retorne ao poder. Segundo seus integrantes, não há possibilidade de diálogo com o novo presidente. Por outro lado, Franco reiterou hoje que pretende formar um governo de coalizão com o apoio de todos os partidos políticos.

Veja também:

Bilby, o estranho animal com 'orelhas de coelho' que volta à natureza após quase desaparecer
Agência Brasil Agência Brasil
publicidade