América Latina

publicidade
07 de abril de 2013 • 12h10 • atualizado às 12h32

Farc confirmam chegada a Cuba de líder e guerrilheiros

 

O comandante das Farc "Pablo Catatumbo" chegou a Cuba junto com outros integrantes da guerrilha para se incorporar aos diálogos pela paz com o governo colombiano, que ocorrem na ilha desde novembro de 2012, informou neste domingo o grupo insurgente.

"Catacumbo", que se chama Jorge Torres Victoria, membro do secretariado das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) e comandante de seu Bloco Ocidental, chegou na tarde do sábado a Havana em um avião da Cruz Vermelha Internacional (CICV) "para reforçar sua delegação de paz", assinala um comunicado divulgado no blog da equipe negociadora da guerrilha.

Além de ser considerado um dos principais "teóricos" do grupo insurgente, "Catatumbo" comanda uma importante unidade no país em termos de presença e ações guerrilheiras.

Entre os novos guerrilheiros que chegaram a Havana figuram também Victoria Sandino Palmeira, Freddy González e Lucas Carvajal, de acordo com a nota, que não precisa o número dos recém chegados.

"A Delegação de Paz das Farc-EP em Havana celebra o encontro, entre abraços, nostalgias e novos sonhos e expectativas", ressaltou o comunicado.

Além disso, afirma que a itinerário seguido pelos guerrilheiros das Farc desde Colômbia até a ilha aconteceu "sem contratempos" e assinala que se cumpriram "rigorosamente os protocolos de segurança feitos" entre as partes para efeitos de sua mudança até Havana.

A delegação das Farc em Havana detalhou o percurso dos insurgentes, desde o início de um operacional de desmilitarização de uma área rural, no município colombiano de Suárez, no departamento do Cauca (sudoeste).

O informe ressaltou também que as Farc partiram em companhia de delegados da Cruz Vermelha Internacional e do Governo de Juan Manuel Santos desde o aeroporto rumo a Havana, com uma escala na ilha de San Andrés.

A logística para a saída dos chefes das Farc rumo à sede das negociações, Havana, implicou em uma cessação de operações militares na área na qual se encontram e o levantamento das ordens de captura contra si por parte da Procuradoria.

A guerrilha aponta em seu comunicado que "apesar da maneira irresponsável" em que foi filtrada a informação da imprensa sobre a mudança dos guerrilheiros à ilha, "todo o procedimento foi bem-sucedido".

As delegações do governo da Colômbia e das Farc terminaram em 30 de março o sétimo ciclo das conversas sem dar fim ao debate sobre o tema agrário, primeiro ponto da agenda pactada para o desenvolvimento das conversas que têm como sede permanente em Havana.

As partes devem retomar as negociações na terceira semana de abril e, segundo declararam, pretendem terminar de tratar o problema da terra e passar ao seguinte assunto de discussão: a participação política.

EFE EFE - Agencia EFE - Todos os direitos reservados. Está proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da Agencia EFE S/A.