0

Esquerdista Humala lidera intenções de voto no Peru

3 abr 2011
17h56
atualizado às 18h09

O nacionalista Ollanta Humala, que lidera as intenções de voto para a Presidência do Peru, consolidou-se no topo da preferência do eleitor, tornando-se o único candidato que tem seu lugar no segundo turno garantido, segundo pesquisas divulgadas no domingo.

Mas em um segundo turno, Humala, um esquerdista que moderou sua postura radical contra o livre mercado, só ganharia se disputasse a Presidência contra o ex-ministro da Economia, Pedro Pablo Kuczynski, de acordo com a pesquisa da Ipsos Apoyo.

Humala, 48 anos, ficou com 27,2% dos votos válidos em uma votação simulada, comparado com os 22,8% que conseguiu na pesquisa anterior, segundo pesquisa da Ipsos Apoyo divulgada pelo jornal El Comercio. É a última previsão que pode ser publicada até a data da eleição.

Segundo a lei, é proibida a publicação de pesquisas na última semana antes das eleições presidenciais de 10 de abril. "As últimas pesquisas que podem ser difundidas nos meios de comunicação indicam que Ollanta Humala lidera as intenções de voto e tem grandes chances de ir para o segundo turno em primeiro lugar", disse o diretor da Ipsos Apoyo, Alfredo Torres.

Em segundo lugar, ficou Keiko Fujimori, filha do ex-presidente Alberto Fujimori, com 20,5%, abaixo dos 22,3% da pesquisa anterior. Ela foi seguida de perto por Toledo e por Kuczynski, com 18,5% e 18,1% nas intenções de voto, respectivamente.

Segundo a Ipsos Apoyo, Toledo caiu três pontos percentuais em relação ao levantamento anterior, mantendo a sua tendência descendente desde o final de fevereiro, enquanto Kuczynski subiu quase três pontos percentuais, recuperando uma ascensão nas pesquisas.

A pesquisa do Ipsos foi realizada em todo o país entre 26 de março e 1o de abril de 2000, com uma margem de erro de mais ou menos 2,2 pontos percentuais.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
publicidade