2 eventos ao vivo

Candidato peruano garante que economia não está em risco

12 abr 2011
14h22
atualizado às 15h04

Após avançar para o segundo turno das eleições peruanas, o candidato à presidência Ollanta Humala, classificado como um político da esquerda e já chamado pela oposição de "aliado do governo brasileiro", afirmou que existe na nação um "sentimento de mudança da maioria, mas a democracia e o crescimento econômico não correm riscos". A manifestação ocorreu durante entrevista, nesta terça-feira, à emissora RPP Noticias.

"Para nós é importante gerar confiança. A mudança vai ser gradual e sem sobressaltos. Temos um compromisso no qual mostramos que é importante seguir com o crescimento econônimo, mas ele também deve chegar aos mais pobres", afirmou.

Ao abordar o tema democracia, Humala avaliou que a estabilidade jurídica e a paz social serão questões prioritárias dentro de sua gestão governamental. Na entrevista, o candidato reconheceu a importância dos investimentos no Peru e do diálogo para evitar a geração de conflitos sociais. "Não está em risco a democracia e nem crescimento económico. O problema é como redistribuir o fluxo de investimentos que chegarão ao país, garantindo a estabilidade jurídica e a paz social (...) A estabilidade política não se apoia apenas nos pilares da política e da economia, mas também, no da população", sustentou.

O candidato da coligação "Gana Peru" negou a possibilidade de um pânico financeiro após seu avanço para o segundo turno, ao classificar a hipótese como uma "especulação". Humala lembrou que teve encontros com empresários e investidores, que não manifestaram objeções ao seu programa de governo de caráter nacionalista. "A economia peruana é sólida, o que tem sido provado nos últimos anos, e, por isso, pensar que um processo eleitoral pode afetar ela é mais uma especulação. É preciso evitar as especulações e acalmar as famílias peruanos e os investidores".

Ollanta Humala disputa o segundo turno das eleições peruanas com Kenko Fujimori, filha do ex-presidente Alberto Fujimori, atualmente preso. A votação está marcada para o dia 5 de junho.

Em entrevistas, candidato Ollanta Humala diz que "mudança vai ser gradual e sem sobressaltos"
Em entrevistas, candidato Ollanta Humala diz que "mudança vai ser gradual e sem sobressaltos"
Foto: AP
Fonte: Terra
publicidade