PUBLICIDADE

Avião de Morales é forçado a pousar na Áustria por suspeita de levar Snowden

2 jul 2013 18h58
| atualizado em 4/12/2013 às 15h25
ver comentários
Publicidade
Avião de Evo Morales aguarda na pista do Aeroporto Internacional de Viena
Avião de Evo Morales aguarda na pista do Aeroporto Internacional de Viena
Foto: AFP

O avião que leva o presidente da Bolívia, Evo Morales, fez uma aterrissagem de emergência na Áustria após partir de Moscou, de acordo com a Russian TV. O pouso não programado foi feito após França, Portugal e Itália revogarem as permissões de aterrissagem e sobrevoo por seus territórios. 

A televisão russa especulou que o ex-consultor da CIA Edward Snowden poderia estar a bordo do avião presidencial. A RTP (Rádio e Televisão de Portugal) diz que o voo foi proibido de pousar em território português porque Snowden estaria a bordo a caminho da Bolívia.

O governo boliviano, através do Ministério das Relações Exteriores, negou que o americano esteja a bordo e disse que a decisão de Portugal e França foi devido à “soberana mentira”. Mais tarde, o governo da Áustria confirmou que o ex-consultor da CIA não estava no avião. 

O chanceler da Bolívia, David Choquehuanca, afirmou que Portugal e França colocaram a vida do presidente Morales em risco. "Queremos expressar nosso incômodo e mal-estar, porque pôs a vida do presidente em risco", disse em entrevista coletiva em La Paz.

Morales retornava à Bolívia no avião presidencial, procedente de Moscou, onde assistiu a uma cúpula de países produtores de gás natural e se reuniu com seu colega russo Vladimir Putin. O mandatário boliviano tinha que fazer uma escala técnica em Portugal, mas Lisboa "inexplicavelmente nos comunicou que havia cancelado a autorização de sobrevoo e aterrissagem", indicou Choquehuanca.

Com essa medida, explicou que "um novo plano de voo foi elaborado para que o presidente" aterrissasse na Espanha, depois da autorização desse país para que a aeronave "fosse reabastecida nas Ilhas Canárias". Mas quando Morales "estava no ar, a França nos comunicou que a autorização de sobrevoo por território francês havia sido cancelada".

Ele ressaltou que a medida, ao que parece, se deveu ao "rumor" de que na aeronave do mandatário estava o informante americano Edward Snowden, que é requerido pelos Estados Unidos depois de ter revelado programas de espionagem do governo americano. "É uma informação que estava circulando, uma informação mal-intencionada para prejudicar o país (...) é uma grande mentira", insistiu.

O chanceler do Equador, Ricardo Patiño, afirmou que as decisões de Lisboa e Paris foram uma "tremenda ofensa" ao presidente Evo Morales. Patiño disse que pedirá uma "reunião extraordinária" de ministros das Relações Exteriores da União Sul-Americana de Nações (Unasul) para analisar o incidente com Morales e as denúncias de Snowden.

"Não é possível suspeitar que no avião de Morales viajasse o senhor Snowden, e tiveram o atrevimento de negar a um presidente de uma república sul-americana a passagem por seu espaço aéreo. Isto me parece uma tremenda ofensa". "Daqui enviamos nossa solidariedade ao presidente Morales e a rejeição do que ocorreu com ele".

Na noite desta terça-feira, o avião de Morales pousou no Aeroporto de Viena "sem Edward Snowden" a bordo, informou um funcionário do ministério austríaco das Relações Exteriores. "O presidente Morales partirá na madrugada desta quarta-feira para La Paz", revelou Alexander Schallenberg.

Fonte: Terra
Publicidade
Publicidade