0

França quer aval da ONU para criar força anti-Boko Haram

Proposta da União Africana prevê união de cinco países para combater grupo extremista

22 fev 2015
16h47
atualizado às 19h30
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

A França vai atuar para que uma proposta da União Africana prevendo a criação de uma força multinacional formada por cinco países para lutar contra o grupo islamita Boko Haram ganhe o aval do Conselho de Segurança da ONU, afirmou o ministro de Relações Exteriores da França, Laurent Fabius. 

<p>"O apoio da França às forças integradas africanas é total", disse Laurent Fabius</p>
"O apoio da França às forças integradas africanas é total", disse Laurent Fabius
Foto: Adnan Abidi / Reuters

Fabius falou em viagem em que percorrerá Chade, Camarões e Niger, países que lançaram operações militares contra os rebeldes. O Boko Haram já matou milhares de pessoas em uma guerra que já dura seis anos e visa a implantar um Estado islâmico no norte da Nigéria.

"O apoio da França às forças integradas africanas é total. A França vai apoiar o apelo da União Africana e de outros países preocupados com uma resolução a ser votada pelo Conselho de Segurança", disse Fabius na capital do Niger.

A União Africana autorizou a combinação das forças armadas de Nigéria, Chade, Camarões, Níger e Benin no último mês durante congresso na Etiópia. A resolução do Conselho de Segurança pode fazer com que essa força multinacional ganhe status de missão da ONU, dizem membros da União Africana. 

O exército foi idealizado em parte porque há a percepção de que a Nigéria não estaria dando conta de derrotar os radicais, que lançaram uma série de ataques além da fronteira no Lago Chade nas últimas semanas, além de matar outras centenas de pessoas na Nigéria. 

Veja também:

Penteado "estilo quarentena" virou coisa do passado
Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade