1 evento ao vivo

Exército egípcio dá 48 horas para forças políticas resolverem crise

1 jul 2013
13h10
atualizado às 13h56

As Forças Armadas do Egito advertiram nesta segunda-feira que pretendem agir caso as exigências do povo não sejam atendidas no prazo de 48 horas, depois que milhões de pessoas saíram às ruas no domingo para exigir a renúncia do presidente islamita Mohamed Mursi.

Em um comunicado lido na televisão estatal, as Forças Armadas reiteraram o "pedido para que as exigências do povo sejam atendidas e dão (a todas as partes) 48 horas, como última oportunidade, para assumir a responsabilidade pelas históricas circunstâncias que o país está vivendo".

A divulgação do comunicado causou uma explosão de alegria entre os manifestantes que exigem a renúncia do presidente na Praça Tahrir, no Cairo, de acordo com um jornalista da AFP no local.

"Mursi não é mais nosso presidente, Sissi está conosco", gritavam os manifestantes, referindo-se ao general Abdel Fattah al-Sissi, chefe do Exército e ministro da Defesa. Durante a transmissão da leitura da nota, uma imagem do general foi exibida em um telão na praça.

Logo depois da divulgação do comunicado, o presidente americano, Barack Obama, fez um apelo a todas as partes no Egito para que tenham moderação diante das gigantescas manifestações contra Mursi, e pediu especificamente respeito às mulheres.

"Todas as partes devem mostrar moderação", disse Obama durante uma coletiva de imprensa na Tanzânia, lembrando "aqueles que estão participando dos protestos ou marchas que atacar mulheres não constitui um protesto pacífico".

O presidente americano, que chegou nesta segunda-feira à Tanzânia, terceira e última etapa de um giro pela África, não se pronunciou sobre as reivindicações da oposição egípcia, que pede a saída do presidente Mursi, mas apelou para que o governo egípcio redobre seus esforços para restaurar a harmonia no país.

"O que está claro hoje é que, embora Mursi tenha sido eleito democraticamente, deve ser feito mais para criar as condições nas quais todos sintam que suas vozes estão sendo ouvidas no Egito", declarou Obama.

AFP Todos os direitos de reprodução e representação reservados. 
publicidade