0

Atentados contra igrejas nigerianas expõem guerra religiosa

26 dez 2011
09h52
atualizado às 10h09

Pelo menos 40 pessoas morreram em atentados contra igrejas durante a celebração do Natal neste final de semana na Nigéria, país que concentra a sexta maior população cristã do mundo. O ministro do Interior, Caleb Olubolad, classificou a onda crescente de violência como uma "guerra interna". No final da semana passado, outras 100 pessoas já haviam morrido em confrontos entre as forças de segurança e o grupo Boko Haram, que assumiu a autoria dos ataques e defende a criação de um Estado islâmico.

Moradores observam carro queimado após explosões em Abuja; atentados no Natal deixaram 40 mortos no país
Moradores observam carro queimado após explosões em Abuja; atentados no Natal deixaram 40 mortos no país
Foto: AFP

O primeiro e mais violento ataque ocorreu ontem em uma igreja católica em Madalla, nos arredores da capital, Abuja, durante a missa matinal, deixando 35 mortos. Horas depois, explosões foram registradas nas igrejas Montain Of Fire e Miracles, na cidade de Jos (que concentra população cristã e islâmica), além de uma outra na cidade de Gadaka. Ao menos cinco pessoas morreram nesses ataques. Também foram relatadas explosões na localidade de Damaturu.

Os autores advertiram que devem continuar com os atentados nos próximos dias. A polícia encontrou dois artefatos explosivos em Jos e prenderam um suspeito.

A explosão em Mandalla deixou um rasto de destruição. Uma testemunha relatou que viu um carro com corpos de uma família inteira que se dirigia à igreja. A população tentava proibir a remoção dos corpos para que o presidente pudesse testemunhar o que aconteceu. As equipes de emergência assumiram ainda que não possuíam número suficiente de ambulâncias para atender os feridos.

A violência tem feito a população se refugiar em regiões mais tranquilas após os atentados ocorridos em pleno Natal. Antes mesmo das explosões, o Vaticano havia se pronunciado, por meio de seu porta-voz, dizendo que as ações eram fruto de "ódio cego e absurdo" e que buscavam alimentar ainda mais o clima de confusão vigente no país.

Os atentados realizados pelo Boko Haram expõem ao mundo a fragilidade das relações internas do país mais populoso da África, que divide entre os islâmicos do norte e cristãos do sul. O clima de guerra civil - como define o próprio governo - se intensifica pelo país ser o principal produtor de petróleo da região subsaariana.

A onda de violência cresceu a partir de abril, quando a eleição presidencial terminou com a vitória do presidente Goodluck Jonathan, apoiado pela maioria cristã do sul. O resultado do pleito acentuou as diferenças entre o sul, rico em petróleo, e o norte islâmico, onde os líderes não aceitam o novo presidente.

O grupo Boko Haram, cujo nome significa "a educação não islâmica é pecado", é autor da maioria dos ataques que já deixaram mais de 700 mortos. Inspirados nos talibãs afegãos, eles pregam que o país deve ser regido pela lei islâmica "sharia".

Com informações da Reuters, AFP e EFE.

Fonte: Terra
publicidade