2 eventos ao vivo

Acidente da Malaysia: Rússia contesta acusações dos EUA

Governo russo chamou de "aberrante" afirmação de que o avião foi derrubado por rebeldes pró-Rússia

19 jul 2014
21h47
  • separator
  • comentários

O governo russo contestou neste sábado declarações de autoridades americanas que atribuíriam a rebeldes pró-Rússia a responsabilidade pela queda de um avião da Malaysia Airlines, na quinta-feira (17), no leste da Ucrânia, abatido por um míssil.

“Os comunicados dos representantes da administração americana são uma prova da percepção profundamente aberrante de Washington sobre o que se passa na Ucrânia”, disse às agências noticiosas russas o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros, Serguei Riabkov. “Apesar do caráter evidente e indiscutível dos argumentos fornecidos pelos rebeldes e por Moscou, a administração americana continua a perseguir os seus próprios objetivos”, acrescentou.

Em comunicado, o Ministério dos Negócios Estrangeiros da Rússia manifestou “perplexidade ao ver representantes oficiais de certos países apressarem-se em fornecer suas versões da catástrofe, influindo assim no prosseguimento do processo”.

Na sexta-feira (18), o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, afirmou que o avião malaio foi abatido por um míssil disparado de uma zona controlada por separatistas pró-russos. Enquanto isso, continuam a ser emitidas acusações mútuas por autoridades ucranianas e pelos rebeldes que controlam parte do leste do país.

“Mesmo antes do início do inquérito sobre a catástrofe, a Casa Branca já estabeleceu claramente quem é culpado”, escreveu na sua conta do Twitter o vice-primeiro-ministro russo, Dmitri Rogozine.

O diário Moskovski Komsomolets citou neste sábado um especialista militar que assegura a incapacidade dos rebeldes simpatizantes dos russos para usar um sistema da complexidade do míssil Buk, suspeito de ser a arma na origem da tragédia.

O jornal Komersant adiantou, por sua vez, que os estragos provocados pelo míssil no avião são semelhantes aos registados por um avião comercial russo atingido por erro por um míssil do exército ucraniano em 2001, que provocou a morte de 78 passageiros. No acidente desta quinta-feira, morreram os 298 passageiros e tripulantes.

Foto: Arte Terra

Agência Brasil Agência Brasil

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade