inclusão de arquivo javascript

 
 

Bianca Rinaldi firma-se como "queridinha" da Record

12 de novembro de 2005 13h34

A atriz Bianca Rinaldi: a nova queridinha do núcleo de dramaturgia da Record. Foto: Erasmo Nascimento/Divulgação

A atriz Bianca Rinaldi: a nova "queridinha" do núcleo de dramaturgia da Record
Foto: Erasmo Nascimento/Divulgação

Apesar do pouquíssimo tempo de casa, Bianca Rinaldi já pode se considerar a nova "queridinha" da Record. E com razão. Desde que protagonizou a nova versão de A Escrava Isaura, a atriz vive um caso de amor com a emissora. Hoje, aos 31 anos, protagoniza a novela Prova de Amor, apresenta o programa Ressoar e divulga o remake de A Escrava Isaura no exterior ¿ já visitou dois dos onze países que compraram os direitos de exibição da novela.

E melhor: aparentemente o amor é recíproco. Com contrato até 2007, Bianca também faz juras à emissora. "Só tenho a agradecer a Deus pelas oportunidades que eles me deram. Fico feliz por tê-las aceito porque nunca sabemos quando elas podem voltar. A exemplo da Record, também quero chegar longe", avisa.

Em sua sexta novela ¿ a quarta como protagonista ¿ Bianca vive uma personagem bem diferente das anteriores. No SBT, limitou-se a interpretar típicas heroínas mexicanas, como as surreais Mila, de Pícara Sonhadora, que morava numa loja de departamentos e se apaixonava pelo filho do dono do lugar, e Júlia, de A Pequena Travessa, que se vestia de menino para trabalhar como office-boy numa alfaiataria.

Na Record, a sofrida Isaura não ficava atrás. Nas mãos do impiedoso Leôncio, fez trabalhos pesados na lavoura e chegou a levar chibatadas no tronco. "As personagens do SBT eram propositalmente surreais porque visavam atender o público infantil", avalia.

"Já a Isaura era tão boa, mas tão boa, que nem acredito que possa existir alguém assim", completa. Já a obstinada Joana, de Prova de Amor, ressalva ela, é um tipo mais humano, crível. "Talvez a mais humana que fiz até hoje", acrescenta.

A humanidade da personagem é tanta que ela vai viver um drama que aflige dezenas de mães em todo o Brasil. A exemplo do que Glória Perez fez em Explode Coração, de 1995, Tiago Santiago volta a abordar o tema do desaparecimento de crianças. Em Prova de Amor, Joana é uma médica que luta para encontrar o filho que julgava ter morrido no parto.

Para conferir maior credibilidade à personagem, a atriz foi conhecer de perto as Mães da Sé, grupo de mulheres que dedicam suas vidas a procurar os filhos desaparecidos. Das muitas histórias que ouviu, a que mais a impressionou foi a da menina seqüestrada no próprio condomínio onde morava.

"Ela precisava apenas descer um lance de escada, atravessar o portão e já chegava no outro bloco. A irmã mais velha, inclusive, ficou olhando da janela. Mas, até hoje, ela não foi encontrada. Dá para acreditar?", alarma-se.

Apesar de habituada a interpretar tipos sofridos na tevê, Bianca conta que resolveu fazer análise para desestressar. Com as sessões de terapia, aprendeu a se desligar do trabalho tão logo termina de gravar uma cena mais barra-pesada.

"Hoje, já não levo mais personagens para casa", brinca. Fora do estúdio, porém, Bianca não tem motivos para tristeza. Ela é um raro exemplo de atriz que se firmou na tevê mesmo sem nunca ter feito novelas na Globo.

Desde que despontou na emissora em 1997, como a professora de ginástica Úrsula de Malhação, nunca mais voltou para lá. "Não precisei da Globo para construir a minha carreira. Mas isso não chega a ser uma opção. Simplesmente aconteceu", minimiza.

Há dois anos, Jayme Monjardim bem que tentou. O diretor convidou a moça para atuar em América. Mas, como a personagem não estava definida, ela ficou de pensar. Na mesma época, Herval Rossano, da Record, fez o mesmo. Só que, ao contrário de Monjardim, chamou Bianca para o papel principal da nova versão de A Escrava Isaura.

Na mesma hora, ela não teve mais dúvidas. "Desde o começo, tive certeza de que a Isaura me tornaria mais conhecida e respeitada, não só no Brasil, mas também no exterior", orgulha-se.

De fato, a nova versão do romance de Bernardo Guimarães não só fez sucesso no Brasil, onde atingiu 15 pontos de média, como virou sucesso de vendas no exterior e já está em exibição em países como Argentina, Chile e Portugal. "Quando visitei a Venezuela, só faltaram me botar num pedestal. Lá, o público idolatra mesmo os atores", espanta-se.

Dias de paquita
A rotina da paulistana Bianca Rinaldi divide-se, atualmente, entre gravar Prova de Amor no Rio de Janeiro, onde fica hospedada em um flat, e divulgar A Escrava Isaura no exterior. Há poucos dias, ela mal chegou da Venezuela, onde a novela está sendo transmitida pela Venevisión, e já embarcou para Portugal.

"Juro que não esperava tanto. Em Portugal, quando disse que Prova de Amor era do mesmo autor de A Escrava Isaura, eles logo se interessaram em comprá-la", valoriza. Também pudera. Em terras lusitanas, as produções da Record já estão sendo exibidas pela RTP, a principal concorrente da SIC, tradicional retransmissora das novelas da Globo. "Eles demonstraram estar felizes com a iniciativa de outra emissora de investir em produtos de tão boa qualidade como os da Globo", observa.

A entrada de Bianca Rinaldi na vida artística aconteceu em 1990, quando sua mãe, Maria da Glória, insistiu para que ela se inscrevesse na disputa por uma vaga de paquita no Xou da Xuxa, da Globo. Então com 15 anos, Bianca concorreu com outras 1.500 candidatas e terminou entre as cinco finalistas.

Da dura rotina de shows, viagens e gravações, ela não se esquece das bacias com água quente e sal a que recorria para relaxar os pés. "Não estava acostumada a passar o dia inteiro pulando. Meus pés latejavam à beça", recorda. Mas foi graças à carreira de paquita que Bianca descobriu o gosto pela arte de representar.

Em 1995, participou de Sonho de Verão, musical caça-níqueis estrelado por paquitos e paquitas. "Quando revejo esse filme, penso: 'Meu Deus, como deixaram isso passar?'", diverte-se.

Instantâneas
Antes de ganhar a vida como atriz, Bianca Rinaldi tentou a sorte como ginasta olímpica. Dos 8 aos 13 anos, penou com as duras exigências do esporte.

Para interpretar a protagonista de A Escrava Isaura, Bianca escureceu os cabelos louros, usou lentes de contato na cor castanho e deixou de tomar sol.

Atualmente, a atriz apresenta também o programa Ressoar, exibido aos sábados às 10h. Nele, divulga importantes projetos sociais da própria Record.

No SBT, além da Mila, de Pícara Sonhadora, e da Júlia, de A Pequena Travessa, Bianca interpretou também a pérfida Andréia, de Chiquititas.

Desde que despontou como atriz, Bianca já fez cinco peças. Entre outras, As Meninas, de Lygia Fagundes Telles, e Aluga-se Um Namorado, de James Sherman.

Bianca Rinaldi namora o empresário Eduardo Menga, 22 anos mais velho que ela.

TV Press