ELEIÇÕES 2006
PRESIDENCIAL
ESTADUAIS
 Boletim
Receba as últimas notícias em seu email

 Fale conosco
Participe! Envie suas críticas e sugestões

 Sites relacionados
Eleições 2004


Rio Grande do Sul
Segunda, 30 de outubro de 2006, 17h28  Atualizada às 21h05
Yeda anuncia cinco projetos que encaminhará à AL
 
Maicon Bock
Direto de Porto Alegre
 
Últimas de Rio Grande do Sul
» RS: apenas um terço dos candidatos prestou contas
» Yeda anuncia cinco projetos que encaminhará à AL
» Rigotto recebe Yeda e coloca secretariado à disposição
» Yeda diz que já trocou "recadinhos" com Lula
Busca
Faça sua pesquisa na Internet:

A governadora eleita do Rio Grande do Sul, Yeda Crusius (PSDB), anunciou na tarde desta segunda-feira, em entrevista coletiva, em Porto Alegre, cinco dos dez projetos que serão encaminhados à Assembléia Legislativa na primeira semana de governo. O principal deles é o Programa de Resolução de Passivos, que pretende enfrentar a crise financeira do Estado.

Os outros projetos dizem respeito ao plano estadual de irrigação, à redução de mortes de gestantes no parto, além de duas propostas que avaliou como pontos de honra: a melhoria dos índices de alfabetização de crianças na primeira série e a redução de mortes por causas externas, como em acidentes de trânsito e homicídios. "A gente quer tornar o Estado melhor em tudo isso", declarou, ao lado do vice, Paulo Feijó (PFL).

Governo federal
Yeda informou que ainda não falou diretamente com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) após a eleição de ontem, mas teve contato com pessoas próximas a ele. Ela antecipou que cobrará, no encontro que os governadores eleitos terão com Lula nos próximos dias, os débitos da União com o Estado, entre eles os créditos de exportação. A governadora eleita também pedirá explicações sobre a política macroeconômica a ser adotada no segundo mandato.

Yeda disse não acreditar que haverá tratamento diferenciado por parte do governo federal devido ao fato de ela integrar um partido de oposição. Yeda defendeu ainda um novo pacto federativo e o equilíbrio tarifário das alíquotas dos impostos para evitar guerras fiscais entre os estados. "O equilíbrio federativo depende disso. A unificação das alíquotas é uma proposta que deve vingar e logo", enfatizou.

Sobre a transição de governo, a governadora eleita disse que "será modelar". A partir do dia 10, relatórios com números das secretarias estarão disponíveis à equipe de transição de Yeda, liderada por Aod Cunha. Ela antecipou que os recursos serão gastos de forma escalonada conforme prioridades a serem definidas. O critério para a escolha do secretariado será a competência, informou Yeda. "Estou segura que não terei nenhum problema para compor a equipe de governo."

Invasões do MST
Questionada sobre a suposta ameaça de intensificação de invasões do MST durante seu governo, Yeda respondeu que não tem medo. "Quero dizer aos movimentos sociais que eles não nos causam nenhum medo. A sociedade gaúcha rejeita essa ameaça", afirmou.

Yeda Crusius garantiu apoio às empresas produtoras de celulose que estão se instalando no Estado, mas destacou que o processo de proteção deve ser sustentável. Paralelamente, Yeda pretende incentivar a qualificação da mão-de-obra para essas indústrias e facilitar a obtenção das vagas.
 

Redação Terra