ELEIÇÕES 2006
PRESIDENCIAL
ESTADUAIS
 Boletim
Receba as últimas notícias em seu email

 Fale conosco
Participe! Envie suas críticas e sugestões

 Sites relacionados
Eleições 2004


Presidencial
Segunda, 30 de outubro de 2006, 00h43  Atualizada às 08h13
Nordestinos se beneficiaram por apoio de Lula, diz Wagner
 
Últimas de Presidencial
» Lula falhou na participação social, diz especialista
» Stédile diz que reeleição é "extremamente positiva"
» Lula mantém rumo da economia e Mantega na Fazenda
» Contrapartida de apoio de Maggi a Lula prevê cargos federais
Busca
Faça sua pesquisa na Internet:

O governador eleito da Bahia, Jaques Wagner (PT), disse neste domingo que o reconhecimento do trabalho de Luiz Inácio Lula da Silva para a recuperação das regiões mais pobres fez com que os eleitores nordestinos, na maior parte dos estados da região, optassem por candidatos de partidos da base aliada do governo federal.

O ex-ministro das Relações Institucionais destaca o fato das maiores votações em Lula terem sido no Amazonas, Maranhão, Ceará e Bahia. Para ele, esse resultado não é "gratuito". "É o reconhecimento de que Lula decidiu fazer uma política de desenvolvimento regional."

Segundo Jaques Wagner, os candidatos a governador que apoiaram a reeleição foram beneficiados com o apoio a candidatura de Lula. "Isso faz com que Lula inicie o seu segundo governo com o apoio de quase todos os governadores do Nordeste."

Dos nove estados nordestinos, apenas dois elegeram governadores do partido de Geraldo Alckmin, candidato a presidente pelo PSDB: Alagoas e Paraíba, onde foram eleitos os tucanos Teotônio Vilela e Cássio Cunha Lima.

Na Bahia, Piauí e Sergipe, conquistaram o governo estadual candidatos do PT (Jaques Wagner, Wellington Dias e Marcelo Déda). O PSB, que faz parte da base aliada do governo federal, assumirá o governo no Ceará, com Cid Gomes, no Rio Grande do Norte, com Wilma Faria, e em Pernambuco, com Eduardo Campos.

No Maranhão, o candidato do PDT, Jackson Lago, foi eleito com apoio declarado a Lula. Nacionalmente, o PDT não definiu apoio para presidente no segundo turno, mas liberou os filiados a fazer isso em nome próprio.
 

Agência Brasil