ELEIÇÕES 2006
PRESIDENCIAL
ESTADUAIS
 Boletim
Receba as últimas notícias em seu email

 Fale conosco
Participe! Envie suas críticas e sugestões

 Sites relacionados
Eleições 2004


Paraná
Domingo, 29 de outubro de 2006, 20h16  Atualizada às 01h39
PR: veja a trajetória política Roberto Requião
 
Jonathan Campos/Divulgação
Roberto Requião já havia governado o Paraná entre 1991 e 1994
Roberto Requião já havia governado o Paraná entre 1991 e 1994
Últimas de Paraná
» Paraná teve a eleição mais disputada de sua história
» Requião não descarta manipulação de pesquisa
» PR: veja a trajetória política Roberto Requião
» PR: Requião vira e vence eleição dramática
Busca
Faça sua pesquisa na Internet:

Controvertido, o governador do Paraná, Roberto Requião (PMDB), reeleito neste domingo, é um político com ideais nacionalistas que não se furta a comprar brigas com setores relevantes da economia.

» Opine sobre a vitória da Requião
» Requião vira e vence eleição dramática

Roberto Requião de Mello e Silva, curitibano de 65 anos, já havia governado o Paraná entre 1991 e 1994. Sempre filiado ao PMDB, é tido por seus assessores como hiperativo, exigente, mas emotivo. Já para os opositores, seus embates não passam de demagogia.

Ele é formado em Direito e em Jornalismo, e sua carreira política teve início como deputado estadual (1983-85). Depois foi prefeito de Curitiba (1986-89), tornando-se o primeiro prefeito da capital eleito após a ditadura militar. Em 1989 assumiu a pasta de Desenvolvimento Urbano do Estado do Paraná e em 1991, foi sucessor de Álvaro Dias no governo do Estado. Depois foi eleito senador, e em 2002, assumiu novamente o governo do Paraná.

No atual mandato, enfrentou os plantadores de soja transgênica, proibindo o embarque do produto pelo porto de Paranaguá sob o argumento da incerteza sobre o impacto da variedade no organismo e no meio ambiente. Ele apontou ainda o bom desempenho da soja convencional e fez críticas ao poder de monopólio das empresas de biotecnologia. A proibição foi suspensa este ano, após a Justiça Federal considerá-la ilegal.

O setor financeiro também não escapou de seus ataques. Com o slogan "dinheiro público em banco público", ele trocou o monopólio do Itaú na movimentação das contas do Estado pelo Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal, instituições do governo federal. O Itaú havia herdado as operações financeiras do Paraná após a aquisição do Banestado, o banco local.

Nas estradas, Requião vive uma verdadeira guerra judicial. Tem 38 ações em andamento contra as empresas concessionárias, que, segundo ele, conseguiram do ex-governador Jaime Lerner contratos desfavoráveis ao Estado.

O governador, eleito em 2002, defende o fim dos pedágios que considera "uma aberração" e é contra a transferência das rodovias à iniciativa privada, alegando que o Paraná arrecada o suficiente para as obras rodoviárias.

No segundo turno, Requião anunciou apoio ao candidato Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e manteve distanciamento de Geraldo Alckmin, candidato do PSDB.

O Paraná, com 10,2 milhões de habitantes, tem uma economia voltada para a agricultura - é um dos maiores produtores de grãos - mas abriga um importante pólo da indústria automobilítica, sediando as fábricas da Audi e da Renault.

Com Reuters
 

Redação Terra