ELEIÇÕES 2006
PRESIDENCIAL
ESTADUAIS
 Boletim
Receba as últimas notícias em seu email

 Fale conosco
Participe! Envie suas críticas e sugestões

 Sites relacionados
Eleições 2004


Presidencial
Quinta, 12 de outubro de 2006, 07h59 
Datafolha: 50% acham Alckmin mais autoritário
 
Últimas de Presidencial
» Lula falhou na participação social, diz especialista
» Stédile diz que reeleição é "extremamente positiva"
» Lula mantém rumo da economia e Mantega na Fazenda
» Contrapartida de apoio de Maggi a Lula prevê cargos federais
Busca
Faça sua pesquisa na Internet:

O debate do último domingo na Rede Bandeirantes destacou no eleitorado brasileiro os defeitos dos candidatos Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Geraldo Alckmin (PSDB). Segundo pesquisa Datafolha divulgada na terça-feira pelo jornal Folha de S.Paulo, 50% dos entrevistados que assistiram ao debate consideram o tucano mais autoritário que o petista. Para 36%, Lula é o mais autoritário.

» Datafolha: Lula amplia vantagem após debate

Outros 62% dos eleitores acreditam que Alckmin defenderá mais os ricos, enquanto 17% apostam que Lula priorizará as classes mais altas da sociedade caso consiga se reeleger no próximo dia 29.

Quando o assunto é corrupção, o petista é considerado por 40% como o candidato mais corrupto, ao passo é Alckmin é citado por 22% dos entrevistados.

Sem debate
A pesquisa Datafolha também ouviu eleitores que não acompanharam o debate do domingo, o primeiro do segundo turno das eleições, sobre os mesmos temas. Para 44% dos entrevistados que não acompanharam o programa Alckmin é mais autoritário. Lula foi citado por 36%.

50% dos eleitores disseram que o tucano defenderá os mais ricos em seu governo, enquanto outros 36% acreditam que Lula priorizará os mais ricos.

O mesmo acontece quando o assunto é corrupção. Para quem não acompanhou o debate, Lula é o mais corrupto, com 35% dos entrevistados. Já 20% apostam que Alckmin é mais corrupto que o petista.

A pesquisa ouviu 2.868 eleitores em 194 municípios de 25 Estados e está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número 21.972/2006. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.
 

Redação Terra