ELEIÇÕES 2006
PRESIDENCIAL
ESTADUAIS
 Boletim
Receba as últimas notícias em seu email

 Fale conosco
Participe! Envie suas críticas e sugestões

 Sites relacionados
Eleições 2004


Presidencial
Quarta, 11 de outubro de 2006, 19h55  Atualizada às 23h59
Blairo Maggi contraria partido e apóia Lula
 
Divulgação
Lula e Blairo selaram o apoio no Palácio da Alvorada, em Brasília
Lula e Blairo selaram o apoio no Palácio da Alvorada, em Brasília
Últimas de Presidencial
» Lula falhou na participação social, diz especialista
» Stédile diz que reeleição é "extremamente positiva"
» Lula mantém rumo da economia e Mantega na Fazenda
» Contrapartida de apoio de Maggi a Lula prevê cargos federais
Busca
Faça sua pesquisa na Internet:

O governador eleito do Mato Grosso, Blairo Maggi (PPS), anunciou na noite desta quarta-feira seu apoio ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, candidato à reeleição pelo PT. A decisão contraria o partido, que decidiu apoiar o adversário de Lula no segundo turno, o tucano Geraldo Alckmin.

» Garcia nega "compra" do apoio de Maggi
» Lula lança pacote para educação e negocia com Maggi

Maggi esteve reunido hoje com o presidente no Palácio da Alvorada e é considerado um apoio estratégico pela campanha de Lula. Uma delas é ter sido reeleito com uma votação consagradora num Estador em que o presidente teve pouca votação.

Sobre a eustão partidária, Maggi anunciou que vai enviar duas cartas ao presidente nacional da legenda, Roberto Freire: uma de licença e outra de desfiliação. Segundo o governador, caberá à Freire decidir qual das duas ele vai aceitar.

Maggi também declarou que vai trabalhar pela reeleição de Lula subindo em seu palanque em outros Estados onde o agronegócio é forte. Mas o apoio do governador não saiu de graça, ele conseguiu o compromisso de que o governo federal vai liberar cerca de R$ 3 bilhões para renegociação de dívidas dos agricultores.

O governo federal deve incluir no Plano Safra 2006-2007 mecanismos de compensação das perdas dos agricultores com flutuação do câmbio, que reduziu a remuneração das exportações do setor. A medida pode ser anunciada antes do segundo turno das eleições. "Com o dólar como está, se não houver mecanismos de complementação de renda dos produtores, o setor vai à bancarrota", disse Maggi a jornalistas. O governador negou que tenha trocado apoio político pela renegociação de dívidas dos agricultores, mas reconheceu que sua decisão prende-se a investimentos federais em seu Estado e às negociações mais gerais do setor econômico. "Vim aqui para saber do presidente se tudo aquilo que nós combinamos ainda estava na pauta do governo", disse Maggi. "Como ainda está e estes projetos vão sair logo, decidimos dar apoio ao Lula".

"Acho que a continuidade do governo Lula é melhor para Mato Grosso e acho que as questões da agricultura estão muito mais próximas de ser resolvidas com este governo do que se começar tudo de novo", justificou o governador.

Com agências
 

Redação Terra