ELEIÇÕES 2006
PRESIDENCIAL
ESTADUAIS
 Boletim
Receba as últimas notícias em seu email

 Fale conosco
Participe! Envie suas críticas e sugestões

 Sites relacionados
Eleições 2004


Eleições 2006
Quarta, 11 de outubro de 2006, 16h11 
Cabral promove Lula em debate; Frossard ignora Alckmin
 
Últimas de Eleições 2006
» Ibope aumenta índice de acertos no 2º turno
» Diminui número de eleitores no 2º turno em Manaus
» Lula falhou na participação social, diz especialista
» Stédile diz que reeleição é "extremamente positiva"
Busca
Faça sua pesquisa na Internet:

O candidato do PMDB ao governo do Rio, senador Sérgio Cabral Filho, aproveitou o primeiro debate antes do segundo turno das eleições estaduais para ressaltar as vantagens para o Estado de sua proximidade com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Já a candidata do PPS, deputada federal Denise Frossard, preferiu não mencionar o tucano Geraldo Alckmin.

Cabral garantiu que, se for eleito, o Rio terá, depois de anos, uma boa relação com o governo federal. "O governo do Rio, nos últimos anos, teve a pior relação possível com o governo federal. Vamos acabar com isso. Terei a melhor relação possível com o presidente Lula. Vamos fazer uma gestão integrada", declarou Cabral, nesta quarta-feira em debate na Rádio CBN.

Na semana passada, o candidato do PMDB, contrariando seus grandes aliados no Estado ¿ a governadora Rosinha Mateus e o ex-governador Anthony Garotinho ¿ selou uma aliança com Lula no segundo turno. Nesta quarta-feira, ele fará um comício com Lula na Baixada Fluminense, reduto eleitoral de Rosinha e Garotinho.

Cabral afirmou, no debate, que a integração entre os governos ocorrerá também na área de segurança pública, uma das mais críticas do Estado. "A integração se faz necessária. Falei com o presidente Lula. O modelo de gestão que será usado no Pan (Jogos Panamericanos) de 2007 é muito positivo, unindo as forças federais, estaduais e municipais. A parceria a partir do Pan tem que ficar aqui", completou Cabral. Denise Frossard, que na semana passada chegou a pregar o voto nulo no segundo turno da corrida presidencial em função do apoio do casal Garotinho a Alckmin, evitou falar de uma parceria com o candidato tucano e procurou ligar Cabral às denúncias de irregularidades nos governos de Rosinha e Garotinho.

"Ele foi presidente da Assembléia e é co-responsável por tudo isso que está aí... O ambiente está poluído. O ambiente é de corrupção. O executivo fez com concordância da Assembléia Legislativa", declarou a candidata.
 

Reuters

Reuters Limited - todos os direitos reservados. Clique aqui para limitações e restrições ao uso.