ELEIÇÕES 2006
PRESIDENCIAL
ESTADUAIS
 Boletim
Receba as últimas notícias em seu email

 Fale conosco
Participe! Envie suas críticas e sugestões

 Sites relacionados
Eleições 2004


Presidencial
Sexta, 14 de julho de 2006, 00h41 
Lula abre campanha com jantar para angariar fundos
 
Últimas de Presidencial
» Lula falhou na participação social, diz especialista
» Stédile diz que reeleição é "extremamente positiva"
» Lula mantém rumo da economia e Mantega na Fazenda
» Contrapartida de apoio de Maggi a Lula prevê cargos federais
Busca
Faça sua pesquisa na Internet:

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva iniciou hoje sua campanha para a reeleição com um jantar para cerca de 3 mil pessoas, destinado a angariar fundos, no qual foi observado um minuto de silêncio pelas vítimas da violência em São Paulo.

O evento, com a presença de dirigentes do PT, aconteceu num restaurante de São Bernardo do Campo (SP), cidade onde Lula iniciou sua carreira política.

As entradas foram vendidas a R$ 200. Entre os presentes estavam o vice-presidente José Alencar, companheiro de chapa de Lula, e vários membros do ministério.

Segundo uma nova enquete do instituto Vox Populi, que ouviu 2003 eleitores de 121 cidades entre 8 e 10 de julho, Lula tem 42% das intenções de voto, contra 32% de Alckmin e 8% da senadora Heloisa Helena. Na pesquisa anterior, em junho, Lula ganhava sem necessidade de segundo turno, com 45% das intenções (mais de 50% dos votos válidos), contra 32% de Alckmin e 5% de Heloisa Helena.

A diferença entre o presidente e seu principal adversário caiu de 13 para 10 pontos percentuais em um mês. É a menor já detectada por uma enquete.

A campanha eleitoral começou oficialmente há uma semana, mas o jantar de hoje foi o primeiro ato de Lula. Ele tem procurado não misturar a agenda de presidente com a de candidato.

O evento foi aberto pelo presidente do PT, Ricardo Berzoini, que pediu um minuto de silêncio em homenagem às vítimas dos ataques de uma facção criminosa nos dois últimos dias em São Paulo.

Segundo o último balanço oficial, pelo menos seis pessoas morreram e cerca de 70 ônibus foram destruídos em cerca de 120 ataques.

O presidente do partido aproveitou o pronunciamento para rejeitar insinuações de líderes da oposição, de que os ataques teriam motivação política e buscariam beneficiar os candidatos do PT.

Alckmin, que governou São Paulo durante cinco anos, se tornou o principal alvo das críticas sobre o crescimento da violência no estado.
 

EFE

Agência EFE - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da Agência EFE S/A.