Notícias Eleições Presidência Luiz Inácio Lula da Silva


 boletim tempo SMS fale conosco  

Capa
Notícias
Candidatos
Estados
Jornal do Terra
Pesquisas
Transição 2002
Urna eletrônica
 Últimas eleições
2002
2000
1998
Outras Eleições

 Sites relacionados
TSE
TREs
Partidos

 Fale conosco
Escreva com críticas e sugestões
Presidência
Terça, 29 de outubro de 2002, 14h06 
Lula anuncia que Palocci coordenará equipe de transição
 
Arte Terra
Antônio Palocci
Veja também
Galeria de Fotos
» Primeiro encontro de FHC e Lula
Notícias
» Visita de Lula a Brasília frustra expectativa sobre ministério
» Lula anuncia que Palocci coordenará equipe de transição
» Saiba quem é Antônio Palocci
» Os nomes da equipe do PT
» Quem integra a equipe do governo
» Conselho vai traçar programas sociais
» FHC deixa inflação sob controle e dívida alta
» Frases de Lula depois de eleito
Links
» Transição 2002: Lula vai tentar atrasar anúncio de ministério
» Biografia de Lula
Últimas sobre Luiz Inácio Lula da Silva
» Lula se reúne com aliados para discutir governo
» Ronaldinho e ONU ajudarão no combate à fome
» Gushiken cuidará da Previdência na transição
» Lula pode ganhar título de doutor pela UFPE
Busca
Faça sua pesquisa na Internet:

O coordenador do programa de governo do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Antônio Palocci Filho, prefeito licenciado de Ribeirão Preto (SP), chefiará a equipe de transição para o futuro governo. Lula fez o anúncio do nome hoje no Palácio do Planalto e ressaltou que a equipe de transição estará desvinculada da montagem do futuro Ministério.

Lula acabou frustrando a expectativa de que seriam anunciados os 51 nomes da transição, que devem ser divulgados daqui a dois dias. "Quisemos dar um caráter técnico à equipe, pois a cada dia que abro o jornal, leio um nome de um ministro do meu governo", ressaltou.

"A partir de agora, se vocês quiserem falar sobre transição, procurem o companheiro Palocci. Se quiserem falar sobre Congresso Nacional, procurem os companheiros Tião Viana e Palocci. Se quiserem falar dos ministérios, não falem comigo. Falarei com vocês", avisou.

O deputado federal João Paulo Cunha (SP) e o senador Tião Viana (AC) serão os interlocutores do partido no Congresso, conforme o anúncio. Os dois acompanharão as votações dos projetos de interesse do PT até o final do ano.

O presidente eleito chegou bem humorado e sorridente para a entrevista e brincando com os jornalistas. "Tudo bem? Podem começar a se acostumar", indicou sobre o seu estilo. O petista elogiou o processo de transição e disse que foi um momento singular na história do País.

"Tivemos presidentes que saíram pela porta dos fundos para não encontrar o sucessor e outros que anteciparam a posse para não ter de passar a faixa", lembrou. "O presidente Fernando Henrique praticamente colocou todo o governo à nossa disposição, numa prática democrática que muito agradou o nosso partido".

Na saída do Palácio do Planalto, onde se reuniu com FHC, o presidente eleito desceu do carro e cumprimentou a multidão de militantes que estava no local com as bandeiras vermelhas do partido.

A transição com Palocci

O comandante da transição pelo PT disse que sua equipe terá um perfil técnico-administrativo com quatro a cinco coordenadores e com integrantes de "alta capacidade executiva e técnica". Uma das primeiras metas será buscar informações sobre o orçamento de 2003. "Não estamos nos colocando como co-partícipes das questões do atual governo", preveniu o coordenador, para separar as ações da equipe das da administração atual.

O coordenador explicou que seu grupo será responsável pela transição político-administrativa para o próximo governo. Os nomes que integrarão o grupo representante de Lula na relação com o atual governo devem ser definidos nos próximos dois dias. Na tarde de hoje, está prevista a primeira reunião com o ministro-chefe da Casa Civil, Pedro Parente.

Palocci admitiu que a equipe poderá ter pessoas filiadas a outros partidos, não só dos quadros do PT. Também ressaltou que o grupo não deve ser visto como "um pré-Ministério". Garantiu que na equipe não haverá coordenadores da economia, ou seja, não se discutirá a transição no Banco Central e no Ministério da Fazenda. "Esses detalhes caberão a Lula", justificou.

Alvos da transição

Antônio Palocci adiantou que a equipe atuará num assunto crucial para o futuro governo: a votação do orçamento da União. Entre os alvos, estão a retirada da cumulatividade do PIS/Cofins e o aumento da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), que integram o projeto de minirreforma tributária.

Se houver um acordo de lideranças, o novo governo também espera aprovar parte da regulamentação do sistema financeiro ainda em 2002. Palocci afirmou que todas as decisões serão discutidas com o atual governo. "Queremos deixar bem claro que as decisões atuais são de responsabilidade do governo que termina dia 31 de dezembro", afirmou ao ser questionado sobre se a equipe de transição terá poder de decisão na revisão dos acordos do FMI, prevista para novembro.
 

Redação Terra