Notícias Eleições


 boletim tempo SMS fale conosco  

Capa
Notícias
Candidatos
Estados
Jornal do Terra
Pesquisas
Transição 2002
Urna eletrônica
 Últimas eleições
2002
2000
1998
Outras Eleições

 Sites relacionados
TSE
TREs
Partidos

 Fale conosco
Escreva com críticas e sugestões
Eleições
Terça, 29 de outubro de 2002, 12h59 
Imprensa internacional destaca medidas anunciadas por Lula
 
Veja também
Galeria de Fotos
» Jornais estrangeiros e a vitória de Lula
Notícias
» Jornais internacionais destacam crise do Brasil
» Manchetes internacionais: EUA e França estão perto de acordo sobre o Iraque
» Jornais internacionais destacam medidas de Lula
» EUA estendem mãos a Lula para manter rumo da economia
» Sandinistas comemoram vitória de Lula
» Comissão pede a Lula associação entre UE e Mercosul
» Duhalde saúda Lula
Links
» Biografia de Lula
Últimas sobre Eleições
» Eleitor ausente no primeiro turno deve justificar até quinta-feira
» MS: Bernal pretende incluir na gestão nomes do PP nacional
» Haddad anuncia Netinho e mais seis novos secretários de governo
» Haddad escolhe Netinho e Tripoli para o secretariado
Busca
Faça sua pesquisa na Internet:

Os principais jornais estrangeiros publicaram hoje reportagens que apontam as medidas econômicas e sociais anunciadas pelo presidente eleito Luís Inácio Lula da Silva em pronunciamento ontem à tarde.

O periódico norte-americano The New York Times destacou que o pronunciamento de Lula ajudou a acalmar os mercados no Brasil, país cuja moeda "se desvalorizou em mais de 30% em relação ao dólar, devido às especulações dos investidores sobre as políticas que Lula implementaria na nona economia do mundo".

O jornal de economia britânico Financial Times afirmou que as medidas anunciadas ontem por Lula em relação à dívida externa deram o tom "à presidência que terá que reconciliar as crescentes demandas populares por programas sociais com austeridade fiscal" e destacou também as conversas que o presidente eleito teve com o secretário de Tesouro norte-americano, Paul O'Neill, e o diretor do FMI, Horst Köhler. O jornal afirmou que as medidas anunciadas por Lula acalmaram os mercados de capitais.

O Chicago Tribune destacou a moderação de Lula em seu primeiro discurso como presidente eleito. "Preocupado com acalmar os mercados, o homem conhecido simplesmente como Lula prometeu honrar o pagamento da dívida e combater a inflação para evitar a crise econômica no maior país da América Latina", diz o jornal, que destacou a eleição deste domingo como uma das que tiveram mais repercussão internacional. O periódico destacou que a vitória de Lula representa um novo ânimo para o movimento esquerdista no continente.

A abordagem do jornal Washington Post priorizou o programa "populista" de Lula de combate à fome e, ao mesmo tempo, destacou as promessas do presidente eleito em relação ao pagamento da dívida externa. O periódico também informou que Lula, "o primeiro presidente de esquerda eleito no Brasil", pretende negociar sobre o acordo da Área de Livre Comércio das Américas (ALCA), apesar de ser contra sua versão atual.

O veículo argentino El Clarín, além de ressaltar as medidas anunciadas pelo presidente eleito para a economia e a área social, deu destaque à comemoração dos resultados anunciados pelo TSE no domingo à noite e para "revés" do PT, que conseguiu apenas três governos estaduais.

As mensagens de felicitação "têm que ser dirigidas a todos os brasileiros", escreveu o Le Monde em seu editorial. "A vitória de Lula é, acima de tudo, a vitória da democracia brasileira que alcançou sua maturidade, apenas 17 anos após o fim da ditadura militar". O jornal escreveu também que "o mais notável é que a transição se faz de uma forma tão natural e ordenada, que o presidente Fernando Henrique não deve se sentir envergonhado com o balanço de seu governo".

O esquerdista Liberation também dedicou um editorial a Lula, em que comparou o triunfo do ex-operário com a do sindicalista Lech Walesa, na Polônia, em 1990. "Ambas as vitórias simbolizam uma vitória da democracia em grandes países que permaneceram durante anos amordaçados por ditaduras comunistas ou militares".

O direitista francês Le Figaro também ressaltou que "a verdadeira estrela das eleições brasileiras foi o próprio país".
 

Redação Terra