Notícias Eleições Presidência Luiz Inácio Lula da Silva


 boletim tempo SMS fale conosco  

Capa
Notícias
Candidatos
Estados
Jornal do Terra
Pesquisas
Transição 2002
Urna eletrônica
 Últimas eleições
2002
2000
1998
Outras Eleições

 Sites relacionados
TSE
TREs
Partidos

 Fale conosco
Escreva com críticas e sugestões
Presidência
Quinta, 31 de outubro de 2002, 11h43 
Lula deve estreitar relações do Brasil com países vizinhos
 
Últimas sobre Luiz Inácio Lula da Silva
» Lula se reúne com aliados para discutir governo
» Ronaldinho e ONU ajudarão no combate à fome
» Gushiken cuidará da Previdência na transição
» Lula pode ganhar título de doutor pela UFPE
Busca
Faça sua pesquisa na Internet:

O presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva vai chegar ao Palácio do Planalto sob o olhar atento da população de países da América Latina. Existe a expectativa de que o futuro governo estreite as relações entre o Brasil e países vizinhos. A eleição do líder da esquerda brasileira foi comentada, em caráter extra-oficial, por alguns dos participantes do I Workshop Internacional de Cooperação Sul-Sul, realizada há dois dias no Itamaraty.

"As experiências sem êxito de políticos latino-americanos nos últimos anos, na Argentina, Peru, Venezuela, Equador, precipitam Lula como uma nova alternativa frente a todas as tentativas falidas, modelos tipo receita, que não funcionaram em nossos países. Para o peruano comum, Lula significa uma política com rosto social. E existe a expectativa de uma aproximação maior entre nossos países", diz Marcela Aliaga, assessora do Ministério da Mulher e Desenvolvimento Social do Peru.

Nos discursos de campanha, Lula criou a expectativa de que o Mercosul seja fortalecido no governo do PT, inclusive para melhorar a posição do País frente às pressões americanas para adesão à Alca. A retórica reverberou pelo continente. Manuelita Escobar, oficial do Fundo das Nações Unidas para População (UNFPA) no Paraguai, acredita que a sustentação social de Lula poderá beneficiar a América Latina.

"O desemprego, a falta de acesso à saúde são temas que podemos trabalhar em uma perspectiva regional. Pessoalmente, estou muito contente com a vitória de Lula. Por uma questão de sensibilidade, humanismo, maior proximidade com a questão social", diz Genaro Pappalardo, diretor do departamento de Cooperação Internacional do Ministério das Relações Exteriores do Paraguai.

Não faltam problemas comuns à região, que podem direcionar agendas articuladas. A iniciativa para troca de experiências foi promovida pela UNFPA e pela Agência Brasileira de Cooperação, do Ministério das Relações Exteriores. Do evento resultarão propostas de acordos internacionais a serem firmados por governos e escritórios do UNFPA nos onze países participantes. Em comum, deficiências na garantia do direito à saúde reprodutiva da mulher, no tratamento de infectados pelo vírus HIV e na administração das tendências migratórias, dentro e fora de suas fronteiras.

A proposta do encontro é, justamente, conhecer soluções e mecanismos que já estão sendo empregados por alguns países.
 

Jornal do Brasil